2016/05/31

Comandante da GM em Campos, RJ, pede exoneração após escândalos

Publicação foi divulgada nesta terça-feira (31) no Diário Oficial.
Três guardas estão envolvidos em um assassinato, segundo a Polícia Civil.

Depois que a Polícia Civil apontou que três guardas municipais estão envolvidos na morte da analista judiciária Patríca Manhães, em Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense, o comandante da coorporação, Marcos Soares, pediu exoneração. A saída dele foi divulgada nesta terça-feira (31) no Diário Oficial do município.

Marcos tinha assumido o posto de comandante no dia 6 de abril. Agora quem assume é o  subcomandante Carlos Leão. De acordo com a prefeitura, a exoneração foi um pedido do próprio guarda. Ele enfrentou problemas como o homicídio da analista judiciária Patrícia Manhães, crime que segundo a polícia teve a participação de agentes da guarda. Além disso uma operação da polícia encontrou armas, drogas e munições na sede da guarda.

A equipe de reportagem do RJ Inter TV conversou por telefone com o comandante afastado e ele disse que o afastamento é temporário, mas ainda não sabe se vai retorna ao cargo. Marcos Soares disse que os escândalos envolvendo a corporação o abalaram muito e que ele “precisa sair um pouco de cena” pra dar atenção à sua saúde, que teria sido debilitada diante da pressão em função dos acontecimentos.

Entenda

 Nos dois meses em que Marcos Soares ficou à frente da GM, casos graves envolvendo guardas municipais vieram a tona após o assassinato da analista judiciária Patrícia Manhães, no dia 13 de abril.

As investigações da Polícia Civil apontaram que três guardas estavam envolvidos no crime, inclusive o marido dela, que foi preso. Outro guarda também foi preso. O terceiro guarda, suspeito de ser um atiradores, está sendo investigado.

No dia 26, a Policia Civil e o Ministério Público apreenderam armas, drogas e munições, na sede do Grupamento Ambiental da Guarda Civil Municipal. Três guardas foram detidos e encaminhados para a delegacia de Guarus.

http://g1.globo.com/rj/norte-fluminense/noticia/2016/05/comandante-da-gm-em-campos-rj-pede-exoneracao-apos-escandalos.html

Odebrecht oficializa negociação de delação premiada e vai detalhar doações

A Odebrecht e o Ministério Público Federal assinaram na quarta passada o documento que formaliza a negociação de delação premiada e de leniência da empreiteira no âmbito da Operação Lava Jato. As conversas já vinham ocorrendo há alguns meses, mas a partir de agora são oficiais.

HIERARQUIA
Integrantes do Ministério Público pretendem, com a formalização, convocar até mesmo Emílio Odebrecht, ex-presidente da empresa e pai de Marcelo Odebrecht, que está preso, para dar informações.

TUDO E TODOS
A empreiteira se comprometeu oficialmente a detalhar o financiamento de todas as campanhas majoritárias de anos recentes com as quais colaborou –como as de Dilma Rousseff a presidente da República e Michel Temer vice e a de Aécio Neves a presidente, em 2014. Ou seja, nenhum dos grandes partidos (PT, PSDB e PMDB) deve ser poupado.

LINHA PONTILHADA
Apesar dos rumores insistentes de que Marcelo Odebrecht pode envolver diretamente Dilma, que teria pedido a ele recursos para a campanha de 2014 num encontro no Palácio da Alvorada, o tema não foi ainda abordado oficialmente com o Ministério Público Federal.

APERITIVO
Os procuradores negociaram para ter acesso a toda a contabilidade de caixa dois da empresa, o que pode envolver centenas de políticos e até mesmo autoridades de outros poderes. Para se ter uma ideia do alcance dos dados que devem ser fornecidos, só numa das operações de busca e apreensão feitas na empreiteira foi encontrada uma lista com o nome de mais de 300 políticos.

BATALHÃO
O termo assinado pela Odebrecht e pelos procuradores não define o número exato dos executivos que devem delatar. Mas ele pode chegar a 50.

http://www1.folha.uol.com.br/colunas/monicabergamo/2016/05/1776557-odebrecht-oficializa-negociacao-de-delacao-premiada-e-vai-detalhar-doacoes.shtml

Veículos brasileiros terão placa do Mercosul a partir de 2017, define Contran

Resolução do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) publicada na última sexta-feira (27), no Diário Oficial da União, determina que até o fim de 2020 todos os veículos em circulação no Brasil deverão ter placas de identificação no padrão do Mercosul.
O anúncio se dá após alguns adiamentos da decisão, que se arrastou por alguns meses, já que a mudança estava prevista para acontecer em janeiro deste ano.

Como é a nova placa?

A nova placa tem fundo branco com a margem superior azul, contendo ao lado esquerdo o logotipo do Mercosul, ao lado direito a bandeira do Brasil e, ao centro, o nome do país. O desenho é muito parecido com a placa que se vê na União Europeia. As três letras e quatro números invertem de proporção: serão quatro letras e três números, em qualquer ordem - desde que o último caractere seja numérico. Segundo cálculos matemáticos, o modelo atual tem 175 milhões de combinações possíveis; no novo, serão mais de 450 milhões.
Apesar de manter os sete caracteres alfanuméricos, como as chapas de hoje, fornecidos pelo Denatran, as novas precisarão ter a inscrição das palavras "Mercosur Brasil Mercosul". Será o fim da possibilidade de personalização.

Quando muda?

A Resolução 590 do Contran também estabelece um cronograma de transição das placas atuais para as novas: a partir de 1º de janeiro de 2017, as mudanças começam a acontecer em veículos zero km a serem licenciados, em processo de transferência de município ou de propriedade (venda particular) ou se houver necessidade de substituição; todos os veículos em circulação deverão possuir as novas placas até 31 de dezembro de 2020. Fonte: Uol

2016/05/26

Sicoob Cred Rio Norte pode abrir agência na Pecuária

As negociações para a realização de um convênio entre o Sicoob Cred Rio Norte e o Sindicato Rural de Campos tiveram mais um avanço esta semana. No dia 23, o diretor presidente Gil Menezes e o consultor do Sicoob Cred Rio Norte, Neilton Ribeiro da Silva, compareceram à sede da instituição que representa pecuaristas e agricultores e discutiram uma série de pontos sobre o mecanismo do cooperativismo de crédito e a utilização da cooperativa de Campos dos Goytacazes, com atuação em todo o estado do Rio de Janeiro, como instituição financeira dos associados e do próprio SRC.
 
Ao lado dos aspectos econômico-financeiros e inserção prática do Sicoob Cred Rio Norte no cotidiano do Sindicato Rural de Campos, ficou acertada a cooperativação da entidade como pessoa jurídica, no sentido de que sejam dados os primeiros passos rumo a uma ampla parceria. Além de todas as vantagens que podem ser sentidas com a operação junto a uma cooperativa de crédito em relação aos bancos tradicionais, com taxas e juros bem mais em conta,  o SRC e associados, como pessoas físicas, poderão num futuro próximo dispor de todos os produtos e serviços oferecidos pelo Sicoob Cred Rio Norte, especialmente com referência às linhas de crédito do setor agrícola.
 
Mas a discussão de destaque entre as entidades refere-se à possibilidade de instalação de um centro de negócios, que trabalha atendendo empresas, ou mesmo de uma agência aberta, do Sicoob Cred Rio Norte no bairro da Pecuária, que não possui agências bancárias, utilizando as dependências do sindicato. A direção do sindicato, através do presidente Ronaldo Bhartolomeu, já se mostrou disponível para a parceria, atualmente estudada de forma técnica pelo Sicoob Cred Rio Norte.
 
Codin

Essa foi a segunda solicitação de instalação de uma agência do Sicoob Cred Rio Norte apenas em maio.

O consultor do Sicoob Cred Rio Norte, Neilton Ribeiro da Silva, participou no dia 19  da reunião ordinária da Associação de Indústrias de Campos. Ele foi recebido pelo presidente da entidade, com sede na Codin, em Guarus, Lucas Vieira, na sede da gerência regional da Firjan em Campos dos Goytacazes.  Na oportunidade, Neilton Silva falou para os associados da AIC sobre o funcionamento de uma cooperativa de crédito, suas vantagens para as pessoas jurídicas em relação às agências bancárias tradicionais, o pacote de serviços e produtos oferecidos e acerca do crescimento e expansão do Sicoob Cred Rio Norte – agora Sicoob Fluminense, uma vez que já tem autorização do Banco Central para atuar em todo o estado do Rio de Janeiro, e que já ultrapassou a marca dos seis mil cooperados.

Dos associados da AIC Neilton Silva ouviu um questionamento sobre a possibilidade de instalação em Guarus, na área da Codin, de uma representação do Sicoob Cred Rio Norte – um centro de negócio nos moldes do que funciona na Câmara dos Dirigentes Lojistas de Campos, para pessoas jurídicas, ou um posto de atendimento, que incluiria a extensão dos serviços às pessoas físicas. A ideia vai entrar na pauta de discussões da cooperativa, para o estudo de viabilidade, mas já está sendo considerado o primeiro e grande passo para uma efetiva parceria entre a cooperativa de crédito e a AIC. Inclusive já há associados cooperados Ao Sicoob Cred Rio Norte.
Ainda durante a reunião, Neilton Silva confirmou a instalação de uma agência do Sicoob Cred Rio Norte na Baixada Campista, provavelmente em área próxima a Goytacazes, em data ainda não definida, e que uma das últimas informações do Banco Central assegura que num futuro próximo as cooperativas de crédito deverão ser liberadas para a operação com recursos públicos, a exemplo de prefeituras, o que certamente irá alavancar ainda mais um setor que vem anotando índices constantes de crescimento no mercado financeiro, mesmo em meio à crise econômica observada.
 
 
 

2016/05/25

Brasil fecha 62,84 mil vagas de trabalho formais em abril

Com isso, houve redução de vagas cortadas frente a abril do ano passado.
No ano, houve perda de 378 mil vagas e, em 12 meses, de 1,82 milhão.

As demissões de trabalhadores com carteira assinada superaram as contratações em 62,84 mil em abril deste ano, de acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados nesta quarta-feira (25) pelo Ministério do Trabalho.

Com isso, o número de demissões registrou queda frente ao mesmo mês do ano passado, quando 97,82 mil trabalhadores perderam seus empregos com carteira assinada. Abril de 2015 continua sendo o pior mês da série histórica, que tem início em 1992.

Segundo os números oficiais, abril foi, porém, o décimo terceiro mês seguido de fechamento de vagas com carteira assinada. O último mês com contratações acima das demissões foi março do ano passado, quando foram criados 19,2 mil postos de trabalho.

Atualmente, a economia brasileira passando pela maior recessão dos últimos 25 anos. No ano passado, o PIB "encolheu" 3,8% e, para este ano, a previsão do mercado financeiro é de um recuo de igual intensidade. Ao mesmo tempo, o desemprego tem registrado aumento, assim como a inadimplência bancária.

Acumulado do ano

No acumulado dos quatro primeiros meses deste ano, o país perdeu 378.481 empregos formais. No mesmo período do ano passado, 137 mil trabalhadores com carteira assinada foram demitidos.

Segundo o governo, o resultado dos quatro primeiros meses deste ano também foi pior, para este período, desde o início da série histórica do Ministério do Trabalho, em 2002.

Os números de criação de empregos formais do primeiro quadrimestre, e de igual período dos últimos anos, foram ajustados para incorporar as informações enviadas pelas empresas fora do prazo nos meses de janeiro e março. Os dados de abril ainda são considerados sem ajuste.

Demissões de 1,82 milhão de trabalhadores em 12 meses

O Ministério do Trabalho informou também que, nos últimos doze meses, foi registrada a demissão de 1,82 milhão trabalhadores com carteira assinada.

Com isso, o total de trabalhadores empregados formalmente no país somou 39,31 milhões de pessoas em abril deste ano, contra 41,14 milhões de pessoas empregadas, com carteira assinada, no mesmo mês do ano passado.

Setores

No mês passado, quase todos os setores da economia demitiram trabalhadores, com exceção da administração pública, que contratou 2.255 pessoas, e da agricultura, que registrou a contratação de 8.051 pessoas.

O setor de comércio liderou o fechamento de vagas com carteira assinada em abril deste ano, com 30.507 demissões – seguido pela construção civil (16.036 vagas fechadas).

A indústria da transformação fechou 15.982 postos formais em abril, ao mesmo tempo em que o setor de serviços registrou a demissão de 9.937 trabalhadores, segundo o Ministério do Trabalho. Já a indústria extrativa mineral demitiu 279 empregados no mês passado.

Números regionais

Segundo o Ministério do Trabalho, houve o registro de demissões em quase todas as regiões do país em abril de 2016, com exceção do Centro-Oeste - que contratou 4.186 trabalhadores.

A região Nordeste foi a que teve mais trabalhadores demitidos no mês passado, quando 25.992 pessoas perderam o emprego. A região Sudeste, por sua vez, registrou a demissão de 23.985 trabalhadores.

A região Sul, por sua vez, contabilizou o fechamento de 11.318 vagas formais e a região Norte fechou 5.735 empregos com carteira assinada no mês passado.

Das 27 unidades da federação (26 estados e o Distrito Federal), apenas seis tiveram aumento do emprego formal em abril deste ano. São eles: Goiás (5.170 postos), Minas Gerais (3.886 postos); Distrito Federal (1.202 postos); Mato Grosso do Sul (919 postos); Espírito Santo (466 postos) e Amapá (50 vagas).

Alexandro Martello
Do G1, em Brasília

http://g1.globo.com/economia/noticia/2016/05/brasil-fecha-mil-6284-mil-vagas-de-trabalho-formais-em-abril.html

2016/05/24

Campos: Laudo confirma morte de irmãs por meningococcemia, diz Polícia Civil

Irmãs morreram com quatro horas de diferença após parada cardíaca.
Polícia Civil recebeu o laudo do IML do Rio de Janeiro.

A Polícia Civil confirmou nesta terça-feira (24) que a causa da morte das duas irmãs de 1 e 6 anos em Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense, foi por meningococcemia. O laudo do Instituto Médico Legal (IML) do Rio de Janeiro confirmou a suspeita da Secretaria Municipal de Saúde. As irmãs morreram entre os dias 11 e 12 deste mês com quatro horas de diferença após ambas sofrerem parada cardíaca.

De acordo com o delegado que investiga o caso, Luís Maurício Armond, a linha de investigação vai seguir e agora a polícia vai poder trabalhar respaldada. “Agora que foi confirmado a meningococcemia vamos investigar com mais calma, porque precisávamos saber a 'causa mortis'. Vamos investigar como foi feito o atendimento. Pode ter havido negligência? Pode. Pode ter tido problemas com os medicamentos? Pode. Mas isso nós vamos investigar”, declarou ao G1.

As meninas, que moravam no bairro Custodópolis, apresentaram um quadro de febre e vômito e foram levadas para o Hospital Geral de Guarus (HGG) onde foram atendidas e liberadas. Mas horas depois, as duas voltaram a apresentar os sintomas e a família as levou para a UPA, onde as duas morreram.
O G1 entrou em contato com a Secretaria de Saúde e aguarda posicionamento.

De acordo com o HGG, Ana Vitória Cândido Silva, de 1 anos e 10 meses, deu entrada às 15h55, e Joyci Cândido Silva, de 6 anos, deu entrada 17h12. O hospital disse que ambas foram atendidas, medicadas e ficaram em observação, mas estavam sendo acompanhadas por médicos diferentes. Elas foram liberadas com quadros clínicos estabilizados e ambas sem febre, segundo a unidade.

A coordenação da UPA disse, através de nota, que a paciente Ana Vitória deu entrada na unidade às 21h07 de quarta em parada cardiorrespiratória. A unidade informou que foram feitas manobras de ressuscitação, mas a menina não resistiu.

Joyci deu entrada na UPA à 1h05 desta quinta apresentando quadro de febre, vômito e fraqueza, de acordo com a UPA. A unidade disse que menina foi submetida a exames de sangue que apresentaram resultados sem nenhuma alteração. Joyci foi medicada e permaneceu em observação até as 5h, quando sofreu uma parada cardiorrespiratória. Ela também foi submetida a manobras de ressuscitação, mas morreu.

Também através de nota, o HGG informou que a direção está levantando os prontuários com os atendimentos e junto à epidemiologia municipal, vai investigar as causas das mortes. A expectativa da Saúde é o caso seja elucidado em 15 dias.

Stella Freitas
Do G1 Norte Fluminense

http://g1.globo.com/rj/norte-fluminense/noticia/2016/05/laudo-confirma-morte-de-irmas-por-menincococcemia-diz-policia-civil.html

2016/05/23

Sicoob Cred Rio Norte no SRC


       O consultor do Sicoob Cred Rio Norte, Neilton Ribeiro da Silva, estará nesta segunda-feira, 23 de maio, às 18 horas, no Sindicato Rural de Campos. A visita é um desdobramento do encontro que a direção da cooperativa teve no último dia seis com o presidente e o vice-presidente do sindicato, Ronaldo Bhartolomeu e Jorge Crespo. O objetivo foi o de dar início à discussão de uma ampla parceria entre as entidades, que deverá envolver movimentações financeiras até a instalação de um posto de atendimento da cooperativa de crédito no SRC.
 
        Junto à direção do sindicato e associados, Neilton Silva fará uma apresentação envolvendo o sistema cooperativista no Brasil, o mecanismo de trabalho do Sicoob e os últimos e expressivos números do Sicoob Cred Rio Norte, que teve crescimento em todos os setores de atuação em relação ao ramo cooperativismo de crédito, e já conta com mais de 6.500 associados. Recentemente, o Sicoob Cred Rio Norte recebeu autorização do Banco Central para atuar em todo o estado do Rio de Janeiro, sendo que até então a área de cobertura era a do Norte, Noroeste e Leste (Lagos) Fluminense. 

Da primeira reunião resultou uma solicitação de abertura de um posto do Sicoob Cred Rio Norte no Sindicato Rural de Campos, que poderia inclusive atender ao bairro Pecuária, o que será estudado pela direção da cooperativa, e uma oferta para o Sicoob Cred Rio Norte ocupar a área do sindicato durante a realização da Exposição Agropecuária e Industrial de Campos, em julho,  para divulgar o trabalho realizado e responder a dúvidas dos produtores.  Ambos os assuntos voltarão a ser discutidos nesta terça-feira.
 
 
 
 

2016/05/22

O Brasil que o PT tentou esconder

O abismo entre o discurso do PT e o País real é ainda mais profundo do que se imaginava. É o que mostra um diagnóstico preliminar realizado pelo governo Temer. Vem mais bomba por aí


O Brasil que o PT tentou esconder
Nos próximos dias, o presidente Michel Temer pretende apresentar um diagnóstico da situação real do Brasil, herdado por ele após o afastamento da presidente Dilma Rousseff. Pretende, com essa iniciativa, tirar o véu do País da fantasia – cantado em verso e prosa pelo ex-marqueteiro do PT João Santana durante a campanha eleitoral de 2014 –, e repetido como ladainha em procissão por Dilma Rousseff nos últimos dois anos. A radiografia – traduzida numa espécie de inventário – vai do Orçamento da União à execução dos programas sociais e convênios, da condição das representações brasileiras no exterior à publicidade institucional. Os ministros trabalham no levantamento dos dados, mas já é possível afirmar que o cenário é de terra arrasada. A começar pelas contas da União.
2424_BR__IcebergueINFO
O governo estima que o rombo no Orçamento seja algo em torno de R$ 200 bilhões, mais que o dobro do que havia estimado a administração petista (R$ 96,7 bilhões). Na área da Saúde, por exemplo, o Brasil perdeu 23,5 mil leitos de internação hospitalar na rede pública nos últimos cinco anos, segundo dados do Conselho Federal de Medicina (CFM). Entre 2010 e 2015, o número de leitos para uso exclusivo do SUS baixou de 335,5 mil para 312 mil. Por enquanto, Temer tem evitado usar o termo “herança maldita”, expressão muito explorada pelo PT quando o partido do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ascendeu ao poder em 2003. O peemedebista tem sido pressionado pelos aliados a lançar mão da mesma estratégia tão logo tenha em mãos o diagnóstico completo. Será uma forma de quebrar o argumento petista de que muito fez pelo social, quando os números reais mostram o oposto, e mostrar que Dilma e seus auxiliares foram irresponsáveis diante do iminente afastamento. Vem do Ministério das Cidades um exemplo da falta de compromisso do PT com o País. Foi autorizada a construção de 11,2 mil unidades financiadas pelo programa Minha Casa Minha Vida na véspera da votação do impeachment do Senado. A pasta não dispõe de recursos para isso, obrigando o novo ministro, Bruno Araújo (PSDB-PE), ao desgaste do cancelamento da medida.
RADIOGRAFIA O ministro do Planejamento, Romero Jucá, é um dos responsáveis por fazer o inventário petista
RADIOGRAFIA O ministro do Planejamento, Romero Jucá, é um dos responsáveis por fazer o inventário petista (Crédito:Ailton de Freitas/Agência O Globo)
O governo provisório também submeteu programas sociais ao pente-fino. O novo ministro do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra, defende a melhoria nos mecanismos de controle do Bolsa Família, uma das principais vitrines do governo do PT. Terra estima que uma revisão de procedimentos pode provocar o desligamento de até 10% dos beneficiários. Segundo o ministro, a fórmula atual dá margem a fraudes pois o sistema utiliza a “autodeclaração” da renda. Ou seja, o candidato ao auxílio informa sua renda nos centros de assistência social, possibilitando declarações de renda menor do que é de fato. O cadastro conta atualmente com 15 milhões de famílias. O Tribunal de Contas da União (TCU) identificou a concessão indevida de benefícios do programa a 163,2 mil famílias. O valor pago a esses beneficiários pode ter chegado a R$ 16 milhões em um único mês. O TCU se baseou em dados de junho de 2015.

Por falar em TCU, o órgão de fiscalização auxiliar do Congresso abriu duas frentes de apuração que podem causar mais problemas para Dilma e seus auxiliares. Numa delas, será avaliado se a petista desrespeitou a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) em 2016. O  governo petista ampliou limites de desembolso a ministérios e a operações de empréstimos após ter realizado, em março, um contingenciamento de R$ 21,2 bilhões, elevando a R$ 44,6 bilhões o volume de despesas discricionárias (não obrigatórias) bloqueadas no Orçamento deste ano. Essa apuração corre sob segredo de Justiça, assim como uma outra destinada a analisar nomeações realizadas nos dias que antecederam o afastamento de Dilma do Palácio do Planalto. Um exemplo disso foi a nomeação de membros do Conselho Nacional de Educação (CNE) antecipada em dois meses para garantir assentos no órgão antes que o PT fosse afastado do governo. O CNE é ligado ao Ministério da Educação, até o início do mês comandada por Aloizio Mercadante, um dos mais próximos aliados de Dilma. A pasta da Educação suspendeu  novas inscrições do Programa Bolsa Permanência, como forma de desgastar a nova gestão junto a estudantes de universidades federais em situação de vulnerabilidade socioeconômica.
O TCU identificou a concessão indevida de benefícios do programa Bolsa Família a 163,2 mil famílias. O valor pago a esses beneficiários pode ter chegado a R$ 16 milhões em um único mês
O TCU identificou a concessão indevida de benefícios do programa Bolsa Família a 163,2 mil famílias. O valor pago a esses beneficiários pode ter chegado a R$ 16 milhões em um único mês
Outro absurdo ocorre na área das Comunicações. Há um funcionário comissionado para cada dois servidores nos Correios, estatal subordinada à pasta agora comandada por Gilberto Kassab (PSD-SP). Os Correios têm previsão de realizar concurso público para contratar 9 mil funcionários, mas têm exatamente a mesma quantidade em licença-­médica, além de 4,5 mil aposentados por invalidez.

Existem ainda questões relacionadas à publicidade institucional. De acordo informações levantadas pela Secretaria de Comunicação (Secom) da Presidência da República, agora comandada pelo jornalista Márcio Freitas em substituição ao petista Edinho Silva, foram empenhados R$ 360 milhões para a publicidade institucional do governo nos cinco primeiros meses de 2016, contra R$ 190 milhões no mesmo período de 2015. É toda a verba de publicidade que estava prevista para este ano. O novo Secretario de Governo, Geddel Vieira Lima, denuncia o aparelhamento da pasta durante a gestão petista. De acordo com o integrante do PMDB da Bahia, o PT usou o órgão para dar cargos a militantes, muitos fantasmas. Tudo está sendo esquadrinhado, segundo ele.

Aliados de Temer o convenceram a fazer a exposição durante um café da manhã no Palácio do Jaburu na quarta-feira 18. Eles avaliam como crucial a iniciativa de o presidente ir a público fazer o contraponto à gestão de Dilma. Há um entendimento de que expor a “terra arrasada” deixada pelo PT pode ajudá-lo a conter focos de insatisfação em parcela da sociedade e a convencer população e o Congresso sobre a urgência de medidas para tirar as finanças públicas do atoleiro. Temer ainda não se convenceu sobre o formato mais adequado para fazer o anúncio. Os ministros Romero Jucá (Planejamento) e Henrique Meirelles (Fazenda) trabalhavam para fechar o diagnóstico das contas até o fim desta semana. Na avaliação dos assessores de Temer, o rombo fiscal é a situação mais crítica. O levantamento, a cargo de Meirelles e Jucá, será importante para azeitar a votação da redução da meta fiscal de 2016. Será a primeira grande batalha do governo Temer no Congresso.

Débora Bergamasco
http://istoe.com.br/o-brasil-que-o-pt-tentou-esconder/?ref=yfp

Sicoob Cred Rio Norte - boletim on line

http://credrionorte.com.br/boletim_online/2016/Ed53_Abril/index.html

2016/05/20

As bombas que o governo Temer corre para desarmar

Equipe do presidente interino dedicou boa parte dos sete dias à frente do Planalto a desfazer canetadas que, no apagar das luzes do governo Dilma, complicam ainda mais a economia do país

Na equipe do presidente interino Michel Temer, as derradeiras canetadas da petista Dilma Rousseff são tratadas no dia a dia do Palácio do Planalto como pautas-bombas, medidas estrategicamente assinadas para deteriorar a imagem do ainda temporário governo peemedebista. Diante da maquiagem na previsão do rombo fiscal de 2016 - se os 96 bilhões de reais já não fossem preocupantes, as novas projeções beiram um déficit de 200 bilhões de reais -, e até da liberação de última hora de reajustes salariais cujas negociações estavam adormecidas há quase um ano, os ministros do governo Temer passaram a primeira semana de governo listando medidas impopulares que terão de ser tomadas para devolver a economia aos eixos e não desvirtuar programas sociais e políticas de governo, no apagar das luzes direcionados silenciosamente a apoiadores do PT.

As primeiras, por mais desgastantes que sejam, já foram tomadas, e incluem, por exemplo, suspensão de convênios com universidades e a sustação da construção de mais de 11.000 moradias populares para beneficiários como o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST). Outra pauta bomba a ser desarmada são os acordos de reajuste salarial que o governo Dilma fechou, um dia antes da sessão de debates para o afastamento da presidente Dilma Rousseff, com oito categorias do funcionalismo público. As categorias prometem pressionar a equipe de Michel Temer, mas segundo o ministro do Planejamento Romero Jucá, apenas os acordos já em tramitação no Congresso estão garantidos.

Campo minado

Confira o que o governo Temer já decidiu mudar:
http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/as-bombas-que-o-governo-temer-corre-para-desarmar

Por: Laryssa Borges, de Brasília - Atualizado em

2016/05/19

Sicoob Cred Rio Norte e AIC/Codin podem firmar parceria


          O consultor do Sicoob Cred Rio Norte, Neilton Ribeiro da Silva, participou nesta quinta-feira, 19 de maio, da reunião ordinária da Associação de Indústrias de Campos. Ele foi recebido pelo presidente da entidade, com sede na Codin, em Guarus, Lucas Vieira, na sede da gerência regional da Firjan em Campos dos Goytacazes.
Na oportunidade, Neilton Silva falou para os associados da AIC sobre o funcionamento de uma cooperativa de crédito, suas vantagens para as pessoas jurídicas em relação às agências bancárias tradicionais, o pacote de serviços e produtos oferecidos e acerca do crescimento e expansão do Sicoob Cred Rio Norte – agora Sicoob Fluminense, uma vez que já tem autorização do Banco Central para atuar em todo o estado do Rio de Janeiro, e que já ultrapassou a marca dos seis mil cooperados.
Dos associados da AIC Neilton Silva ouviu um questionamento sobre a possibilidade de instalação em Guarus, na área da Codin, de uma representação do Sicoob Cred Rio Norte – um centro de negócio nos moldes do que funciona na Câmara dos Dirigentes Lojistas de Campos, para pessoas jurídicas, ou um posto de atendimento, que incluiria a extensão dos serviços às pessoas físicas. A ideia vai entrar na pauta de discussões da cooperativa, para o estudo de viabilidade, mas já está sendo considerado o primeiro e grande passo para uma efetiva parceria entre a cooperativa de crédito e a AIC. Inclusive já há associados cooperados Ao Sicoob Cred Rio Norte.
Ainda durante a reunião, Neilton Silva confirmou a instalação de uma agência do Sicoob Cred Rio Norte na Baixada Campista, provavelmente em área próxima a Goytacazes, em data ainda não definida, e que uma das últimas informações do Banco Central assegura que num futuro próximo as cooperativas de crédito deverão ser liberadas para a operação com recursos públicos, a exemplo de prefeituras, o que certamente irá alavancar ainda mais um setor que vem anotando índices constantes de crescimento no mercado financeiro, mesmo em meio à crise econômica observada.

 

Dilma é notificada pelo STF para dizer por que chama impeachment de golpe

Ministra Rosa Weber concedeu prazo de dez dias para que a presidente afastada se manifeste a respeito; interpelação judicial foi proposta por deputados 

A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou hoje (18/5) que a presidente afastada Dilma Rousseff seja notificada sobre interpelação judicial proposta por deputados que questionam o fato de a presidente classificar o processo de impeachment de “golpe de Estado”. No despacho, a ministra concedeu prazo de dez dias para que Dilma se manifeste a respeito.
Na ação, assinada pelos deputados Júlio Lopes (PP-RJ), Carlos Sampaio (PSDB-SP), Pauderney Avelino (DEM-AM), Rubens Bueno (PPS-PR), Antônio Imbassahy (PSDB-BA), Paulo Pereira da Silva (SD-SP), os deputados argumentam que a acusação de Dilma é algo de “gravidade ímpar, sobretudo, ao se levar em consideração a recente história nacional e as possibilidades de ruptura que declarações desse tipo podem trazer à sociedade brasileira”.

Na interpelação, os deputados apresentam uma série de discursos proferidos por Dilma em que ela classifica o processo de impeachment contra ela de “golpe”.

“Ao comportar-se da maneira como vem fazendo, a senhora presidente da República deixa toda a nação em dúvida, recomendando, portanto, a presente interpelação, a fim de que possa explicar qual a natureza, os motivos e os agentes desse suposto 'golpe'”, dizem os deputados na ação.

Eles pedem ainda que Dilma explique, entre outros pontos, quais atos compõem o golpe denunciado por ela, quem são os responsáveis, quais instituições atentam contra seu mandato e quais as medidas que ela pretende tomar, na condição de Chefe de Governo e Chefe de Estado, para resguardar a República.

2016/05/18

Planejamento estima que rombo nas contas públicas deve ultrapassar R$ 160 bi

Diante da urgência de se levar à votação a redução da meta fiscal para 2016, o ministro do Planejamento Romero Jucá informou a senadores aliados que o rombo nas contas públicas deve ultrapassar os 160 bilhões de reais. O número definitivo será detalhado ao Congresso na próxima segunda-feira, já que tanto Jucá quanto o ministro da Fazenda Henrique Meirelles ainda trabalham para finalizar uma radiografia nas contas públicas e angariar apoio para que o tema seja votado tanto por deputados quanto por senadores já na terça-feira de manhã.

O presidente do Congresso Renan Calheiros (PMDB-AL), responsável por convocar a sessão do Congresso que votará a redução da meta fiscal, recebeu o diagnóstico de Jucá de que o caos nas contas deixado pelo governo Dilma Rousseff não se aproxima de forma nenhuma dos cerca de 96 bilhões de reais aventados pelo então ministro da Fazenda Nelson Barbosa, e sim da casa dos 160 bilhões de reais. O primeiro panorama da área econômica estimava que o rombo poderia superar 120 bilhões de reais, número já considerado defasado pelo governo interino. "Soube que o déficit já teria ultrapassado os 160 bilhões de reais. Esse é um argumento definitivo para que nós possamos votar a redução da meta de forma rápida, célere e urgente", disse Calheiros.

"Estamos tendo preocupação com o déficit. Tive uma conversa com o ministro do Planejamento e a informação de que o déficit, a partir de contas que até agora o governo fez, já passa de 160 bilhões de reais. Os cálculos, que ainda não terminaram, já passam de 160 bilhões de reais. Isso, mais do que nunca, é preocupante e significa dizer que precisamos rapidamente fazer essa sessão do Congresso Nacional", completou.

O presidente interino Michel Temer reuniu-se na manhã de hoje com o ministro da Secretaria de Governo Geddel Vieira Lima e com 11 senadores de partidos que deram suporte ao impeachment da presidente Dilma Rousseff. Na reunião, além de relatar os primeiros cinco dias de governo, Temer pediu apoio dos líderes para as primeiras medidas a serem aprovadas pelo Congresso, consideradas um teste de força para a recente base aliada. As estimativas são de que o "centrão", grupo de sustentação de Temer na Câmara dos Deputados, chegue a 291 deputados. No Senado, o colchão de apoio a Temer ultrapassa os 50 parlamentares.

No encontro a portas fechadas no Palácio do Jaburu, Temer ainda ouviu de líderes no Senado que seria preciso, nas palavras do senador Ronaldo Caiado (DEM-GO), "desmitificar a tese de que o PT fez alguma coisa pelo cidadão mais carente e humilde" e detalhar o que o tucano Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) chamou de "herança maldita". Com o inventário deixado pela administração Dilma pronto, é provável que Michel Temer venha a público expor à população como estão as contas públicas. "O importante é não falar nada antes desse inventário. É o momento de não se perder pela boca", disse Cunha Lima.

http://veja.abril.com.br/noticia/economia/planejamento-estima-que-rombo-nas-contas-publicas-deve-ultrapassar-r-160-bi

O filme "protesto"

13 dias antes do impeachment de Dilma, a Ancine autorizou Aquarius a captar R$ 2,9 milhões

A produção do filme terá até 31 de dezembro de 2017 para captar a fortuna e jogar os custos nas costas do cidadão brasileiro.

Um protesto regado a muito sorriso por parte dos atores que seguravam as placas rendeu várias manchetes no noticiário dessa manhã. No ato, o elenco do filme Aquarius denunciava em Cannes o que chamava de “golpe” em andamento no Brasil, o mesmo impeachment que o PT pediu contra Collor, Itamar e FHC. Mas as redes sociais são rápidas e logo descobriu-se que o projeto em questão, a apenas 13 dias do afastamento de Dilma Rousseff, foi autorizado pela Ancine a captar R$ 2,9 milhões via Lei do Audiovisual.
 
A Lei do Audiovisual difere um pouco da Lei Rouanet. Cineastas costumam preferir a primeira porque, diferentemente da segunda, que banca por renúncia fiscal um máximo de 80% da produção, cobre com dinheiro público 100% do investimento feito por qualquer patrocinador que tope emprestar a marca para os créditos iniciais do filme.
 
Pelas informações publicadas no Diário Oficial de 29 de abril passado, os produtores do filme Aquarius terão até 31 de dezembro de 2017 para captar junto a patrocinadores o total de R$ 2,9 milhões. Se conseguir, os cofres públicos serão usados para devolver aos anunciantes 100% do valor investido. em outras palavras, até mesmo os 11 milhões de desempregados do Brasil correm o risco de estar pagando o salário dos atores que levantaram as placas em Cannes.
 
Protesto em Cannes

http://www.implicante.org/blog/a-13-dias-antes-do-impeachment-de-dilma-a-ancine-autorizou-aquarius-a-captar-r-29-milhoes/

STJ julga presidente de tribunal de contas do Rio

O STJ vai julgar nesta quarta-feira uma ação penal em que o presidente do TCE (Tribunal de Contas do Estado) do Rio Janeiro, Jonas Lopes de Carvalho, é acusado de receber dinheiro em troca de decisões favoráveis a envolvidos em processos no tribunal de contas.
Acusado por corrupção passiva, Jonas tem como colega e também réu no processo outro conselheiro do TCE, no caso, José Gomes Graciosa.

http://veja.abril.com.br/blog/radar-on-line/judiciario/stj-julga-presidente-de-tribunal-de-contas-do-rio/

2016/05/14

Sicoob Cred Rio Norte inaugura segunda agência em São Francisco do Itabapoana

Carlos Grevi

Centenas de moradores e representantes da comunidade participaram na sexta-feira, 13 de maio, da inauguração da segunda agência do Sicoob Cred Rio Norte em São Francisco do Itabapoana. A cooperativa, que já operava no distrito de Praça João Pessoa, passa a atuar agora na área central da sede do município.

O evento teve início no final da tarde e contou com a apresentação do grupo de estudantes da região que participam do projeto “Art Lata”, do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, envolvendo escolas estaduais e municipais. O “show” acabou encantando os presentes, e levou o consultor do Sicoob Cred Rio Norte, Neilton Ribeiro da Silva, a anunciar a “adoção” do grupo, que deverá passar a contar com o apoio da cooperativa, o que será discutido em breve. Também foi exibido um vídeo que retratou o crescimento do Sicoob Cred Rio Norte, agora Sicoob Fluminense, uma vez que obteve autorização do Banco Central para atuar em todo o estado do Rio de Janeiro.

Cooperativismo de crédito 

Além de toda a diretoria e membros dos conselhos administrativo e fiscal, delegados e colaboradores do Sicoob Cred Rio Norte, estiveram presentes à inauguração o presidente da Organização das Cooperativas Brasileiras – OCB Rio, Marcos Diaz; o vice-Prefeito de São Francisco do Itabapoana, Amaro Barros, representando o prefeito Pedrinho Cherene; a secretária de Promoção Social do município Dayse Teixeira; os vereadores Cláudio Viana e Patrícia Cherene; o gerente regional da Firjan, Luiz Mário Concebida, o diretor da Garantinorte,  Jorge Luiz Silva; o presidente do Sindicato Rural, Júnior Terra e o representante da Emater-RJ, Marcelo Erbas, além de dezenas de integrantes dos mais diversos segmentos da sociedade.

Entre os que se pronunciaram publicamente – Vera Lúcia Almeida, presidente do Conselho de Administração do Sicoob Cred Rio Norte; Gil Menezes, diretor presidente; Marcos Diaz, presidente da OCB-Rio; o vice-Prefeito Amaro Barros e o consultor do Sicoob Cred Rio Norte, Neilton Ribeiro da Silva, todos foram unânimes em destacar o crescimento do Sicoob Cred Rio Norte e seu positivo envolvimento com a comunidade, assim como as vantagens de se utilizar o cooperativismo de crédito como alternativa ao sistema bancário/financeiro tradicional. Para se ter uma ideia do avanço do setor no país, o percentual da população brasileira a fazer parte de uma cooperativa de crédito aumentou, de 2012 até agora, 27 por cento, segundo dados divulgados pelo Banco Central do Brasil, durante reunião ordinária do Conselho Consultivo Nacional do Ramo Crédito (Ceco), realizada na sede da Organização das Cooperativas Brasileiras, em Brasília.

Hoje o Sicoob Cred Rio Norte, além de única cooperativa de crédito de livre admissão, é a quarta maior cooperativa de crédito ligada à Central Rio, e a maior do estado do Rio de Janeiro em extensão territorial. A instituição, com sede em Campos dos Goytacazes já ultrapassou a marca dos seis mil associados, e espera alcançar em pouco tempo o mesmo sucesso de movimento que atingiu na agência de Praça João Pessoa, que veio cobrir uma lacuna na região em relação à cobertura por agências bancárias.

Na área central, a agência de São Francisco do Itabapoana está em local estratégico, instalada na avenida Edenites da Silva Viana, 139, ao lado do ponto das vans.

Hoje, no Sesi Campos


2016/05/13

Cooperativismo de crédito amplia o número de sócios, diz o Bacen

Brasília – O percentual da população brasileira a fazer parte de uma cooperativa de crédito aumentou, desde de 2012, 27%, segundo dados divulgados ontem pelo Banco Central do Brasil, durante reunião ordinária do Conselho Consultivo Nacional do Ramo Crédito (Ceco), realizada na sede da Organização das Cooperativas Brasileiras, em Brasília. O evento contou com a participação do chefe-adjunto do Departamento de Monitoramento do Sistema Financeiro, Gustavo Martins.
 
Ele apresentou, números que comprovam a evolução do Sistema Nacional de Crédito Cooperativo no Brasil, dentre eles estão o indicador que mostra o aumento da procura por serviços oferecidos pelas cooperativas de crédito. A pesquisa considerou os números disponíveis no banco de dados do Banco até dezembro de 2015.
Censo dos associados - cooperativas de crédito II
O BCB divulgou que a Região Sul, por exemplo, se destaca com 13,5% da população da região, que já é associada ao Sistema Nacional de Crédito Cooperativo. A pesquisa também apresenta os estados de Mato Grosso do Sul e Rondônia como os líderes de crescimento em sua carteira de clientes, que representam, atualmente: 6,2% e 4,8%, respectivamente.
Censo dos associados - cooperativas de crédito
Além disso, Gustavo Martins também divulgou que o percentual de depósitos em cooperativas de crédito representa, hoje, 3,49% do Sistema Financeiro Nacional. Segundo ele, o Sistema Nacional de Crédito Cooperativo é composto por:
  • 1.097 cooperativas (1.060 singulares, 35 centrais e duas confederações)
  • 4.470 postos de atendimento (não incluídas as sedes das cooperativas que em muitos casos prestam atendimento)
  • 8,3 milhões de cooperados (que vivem em 5.144 municípios, ou seja, 91,8% do total nacional)
  • As cooperativas de crédito estão presentes em 2.453 municípios (44% das cidades brasileiras)
Estatisticas cooperativas financeiras 2015
Em relação à distribuição geográfica das cooperativas de crédito, o Banco Central apresenta o seguinte panorama:
Municipios atendidos por cooperativas financeiras
APRESENTAÇÕES – Os dados acima e muitos outros fazem parte do material apresentado durante a reunião ordinária do Conselho Consultivo Nacional do Ramo Crédito (Ceco), ocorrida ontem. Para conhecer o conteúdo do evento, clique sobre o título de seu interesse:
Fonte: OCB e Portal do Cooperativismo Financeiro
http://cooperativismodecredito.coop.br/2016/05/cooperativismo-de-credito-amplia-sua-carteira-de-clientes-brasileiros/?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+CooperativasDeCreditoNoBrasilENoMundo+%28Portal+do+Cooperativismo+Financeiro%29

2016/05/11

Artigo

As sequelas de 13 anos do PT

Helio Gurovitz

O Brasil descobrirá a partir de amanhã, com o quase certo afastamento da presidente Dilma Rousseff pelo Senado, que o impeachment não resolveu seus problemas. A saída do PT do poder não tem, por si só, o condão de encerrar a maior recessão da nossa história. O desemprego continuará a subir, a Operação Lava Jato continuará a investigar, e o governo Michel Temer enfrentará uma oposição renhida daqueles que deixarão o poder após 13 anos.

Lembro exatamente o dia em Luiz Inácio Lula da Silva foi eleito presidente, um domingo, em que a avenida Paulista se encheu de cores vermelhas para celebrar a ascensão ao poder do primeiro operário na história do Brasil. Sempre eficazes na oposição, as hostes petistas eram tão ignorantes a respeito de como o Estado funcionava que perguntávamos quanto tempo duraria aquele governo.

Quatro anos? Seria bom para a democracia, acabaria com o bicho-papão da esquerda, ao obrigá-la a enfrentar a realidade do poder. Oito? Haveria sequelas inevitáveis, sobretudo na visão tacanha e equivocada da economia. Treze? Ninguém poderia imaginar que os petistas aprenderiam rápido as artimanhas do poder, fariam tanto estrago – e sairiam pela porta dos fundos.

Os anos de PT são cercados de superlativos. O pior escândalo de corrupção na história da humanidade, segundo historiadores. A pior crise já registrada na economia brasileira, segundo as estatísticas. O pior governo na história do Brasil, segundo as pesquisas de popularidade.

As sequelas são evidentes. O desequilíbrio nas contas públicas. As fraudes orçamentárias após anos de Lei de Responsabilidade Fiscal. O aparelhamento político do Estado por quadros partidários. A promiscuidade com empresas de todos os setores da economia em que o Estado poderia intervir. O uso das estatais para fins políticos. O capitalismo de compadrio como combustível propulsor de um projeto de poder. O inchaço da máquina pública e a recusa tacanha em aceitar a realidade econômica. A mistificação equivocada, propagada por artistas e intelectuais cegos para os fatos, além do exército de propagandistas remunerados com dinheiro público.

Leitores sempre reclamam que me esqueço de mencionar as conquistas petistas. Citam como exemplo os programas sociais, o ProUni, o Fies, o Minha Casa Minha Vida e o resgate de milhões da miséria com o Bolsa Família (alguém ainda lembra o Fome Zero?). Que fiquem então registrados. Ao lado das estatísticas deploráveis de saneamento básico, de um sistema de saúde público que funciona como um show de horrores e da vergonha nacional que passamos em todas as avaliações internacionais da nossa educação. Eis, aí, o saldo social dos 13 anos de PT.

Começa amanhã a tentativa de recolocar o país no prumo. Confesso não ter a menor esperança de que o governo Temer seja capaz disso. Comecei este texto escrevendo que os problemas brasileiros não se resumem ao PT. É fato. Brasília funciona numa atmosfera rarefeita, distante da realidade nacional. Nossos políticos, em especial os do PMDB que assumirão o poder, estão por demais habituados às regras tácitas que regem esse teatro, para que seja crível qualquer promessa de mudança real. E a Lava Jato não vai parar de desmascará-los.

Há alguma esperança? No curto prazo, nenhuma. O máximo a que podemos almejar é algum tipo de resgate da sensatez na economia, o início de algum projeto de reforma do Estado e o desaparelhamento de agências reguladoras e ministérios hoje ocupados por interesses partidários. Isso é o possível. Mas é pouco, muito pouco, para um país que precisa se recuperar de 13 anos andando na direção errada e ainda terá pela frente no mínimo uma década perdida, de investimentos necessários nos setores mais básicos.

O cenário internacional não é mais favorável a países com as características do Brasil. Pioraram as condições para atrair o capital que não temos. Os mercados maduros estão mais preocupados em manter os próprios empregos e afastar as ameaças do terrorismo islâmico, da guerra e da China. Já vivemos um período de fechamento de fronteiras, o populismo nacionalista emerge por toda parte, e o movimento anti-globalização tende a se acirrar.

Nossas instituições têm resistido ao longo do processo de impeachment. Mas também têm demonstrado quão frágil a democracia ainda é no Brasil. A falta de compostura de diversos atores – sobretudo o atual presidente da Câmara e seu antecessor – esgarçou as relações entre os três poderes. A queda de Dilma lança na oposição um partido de ressentidos, incapazes de reconhecer as próprias deficiências, mas capazes de fazer muito barulho e gerar muita confusão.

O PT não deixará nenhuma saudade, é verdade, exceto nos iludidos por sua mistificação ou naqueles que dependem do partido para viver. Mas deixará incerteza. Um país conflagrado, uma classe política desacreditada e o caldo de cultura perfeito para a ascensão de demagogos e oportunistas. Teremos tempos turbulentos pela frente. O vermelho não será substituído pelo verde-e-amarelo, mas pelo cinza sombrio. O próprio otimismo é um luxo que pode nos custar caro.

http://g1.globo.com/mundo/blog/helio-gurovitz/post/sequelas-de-13-anos-de-pt.html

2016/05/10

Esclarecimento público do Sicoob Cred Rio Norte


Aos líderes do Estado do Rio de Janeiro 

Um dos mais importantes pilares da economia é a livre iniciativa, que chega a ser mencionada como fundamento da República e princípio da própria ordem econômica em nosso ordenamento jurídico. Trata-se de um espaço de atuação independente da compressão do Estado, exercida na atividade econômica de produção, circulação, distribuição e consumo de bens e serviços.

Não menos importante e apontada como motor da produção, a concorrência é atividade saudável que oferece ao consumidor um leque maior de ofertas, que assim tem possibilidades de escolhas e opções diversas. Na verdade, um mecanismo que automaticamente mantém o nível daquilo que é oferecido.

Entendemos que caminham juntas a livre iniciativa e a concorrência, no entanto, a ética deve ser o limite desse ordenamento.

Assim, não podemos deixar de prestar um esclarecimento à população do Estado do Rio de Janeiro, e mais especificamente de Campos dos Goytacazes e regiões Norte e Noroeste Fluminense, no que concerne a uma determinada movimentação no mercado, que começa a acontecer.

O Sicoob é o maior Sistema Financeiro Cooperativo do País - composto por cooperativas financeiras e empresas de apoio, com centrais em cada estado, que em conjunto oferecem aos associados todos os serviços e produtos bancários, sem ser um banco. É uma cooperativa financeira, onde os clientes são os donos e por isso os resultados financeiros são divididos entre os cooperados.

Em Campos, somos o SICOOB CRED RIO NORTE, com sede instalada na rua Dr. Siqueira, 278, Parque Dom Bosco, e agências em Morro do Coco, CDL/Campos, ACIM/Macaé, São João da Barra, Bom Jardim, IFF/Itaperuna, IFF/Macaé, Praça João Pessoa/SFI e Bom Jesus do Itabapoana. São 18 anos de atuação em nossa região e somos ligados à Central Sicoob Rio.

Recentemente, o Sicoob Sul, ligado à central do Estado do Espírito Santo, deu início à instalação de agências de atendimento na nossa região de atuação – não de modo ilegal, mas certamente sem um planejamento compartilhado com as cooperativas do Rio, sem atentar para o trabalho já iniciado, de forma séria e responsável no Norte e Noroeste Fluminense. Também, e principalmente, sem levar em conta que, apesar da livre iniciativa defendida, esse tipo de concorrência não trará os resultados almejados, para ambas centrais por tentar buscar um público já atendido ou em fase de atendimento da melhor forma possível pelo SICOOB CRED RIO NORTE.

Neste sentido, enfatizamos que o Sicoob, em Campos e na região sempre foi representado pelo SICOOB CRED RIO NORTE e queremos contar com o apoio da população do Estado do Rio de Janeiro e de todos os representantes das categorias profissionais e segmentos sociais por optar pela utilização de uma cooperativa de crédito, como sua instituição financeira, aliás a única de livre admissão do Estado do Rio de Janeiro, para a realização de negócios.

Há 18 anos iniciamos esse trabalho com 26 cooperados e hoje ultrapassamos 6.000 associados, sem a necessidade de romper fronteiras do nosso Estado. Como disse Gandhi: “O mundo é grande o suficiente para satisfazer as necessidades de todos, mas sempre será pequeno para a ganância de alguns”.

Vamos dar um basta no ser celeiro para que venham ao Rio e retirem daqui o que nos faz e fará falta. O Rio já foi o maior estado cooperativista do Brasil e querem nos aniquilar de vez. Como foi publicado num jornal de Campos. Há interesse em vir para o Rio, pois o Porto do Açu é a esperança de crescimento da Petrobras, que está desativando gradativamente o porto de Vitória e se instalando nessa região. E como fica o cooperativismo que prega a união e o compromisso social como seus pilares?

Prezados líderes da região do Estado do Rio de Janeiro, vamos valorizar o que é nosso! 

Estamos à disposição para quaisquer contatos e esclarecimentos.

contato@sicoobcredrionorte.com.br

(22) 27262750
                                                        

                                                                                              A DIREÇÃO DO SICOOB CRED RIO NORTE                               

Maranhão recua e revoga decisão de anular sessão do impeachment

Presidente interino da Câmara decidiu de manhã e voltou atrás à noite.
Senado decidirá na quarta (11) se afasta presidente Dilma por até 180 dias.

O presidente em exercício da Câmara, deputado Waldir Maranhão (PP-MA), decidiu na madrugada desta terça-feira (11) revogar a decisão que proferiu pela manhã para tentar anular a sessão da Câmara que aprovou a abertura do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff.

A Secretaria Geral da Mesa da Câmara recebeu a decisão da revogação por volta de 00h20. Maranhão assinou dois ofícios (veja ao final desta reportagem) – um com a revogação da decisão e outro destinado ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), informando sobre a nova deliberação, que deverá ser publicada nesta terça (11). O processo de impeachment tramita desde a semana passada no Senado e será votado no plenário nesta quarta-feira (10).

"Revogo a decisão por mim proferida em 9 de maio de 2016 por meio da qual foram anuladas as sessões do plenário da Câmara dos Deputados ocorridas dias 15, 16 e 17 de abril de 2016, nas quais se deliberou sobre a Denúncia por Crime de Responsabilidade n.1/2015", diz o texto do ofício assinado por Waldir Maranhão.

A decisão de Maranhão de tentar anular a sessão da Câmara que aprovou a abertura do processo de impeachment surpreendeu o meio político pela manhã e provocou grande movimentação durante todo o dia. O partido PHS chegou a protocolar no Supremo Tribunal Federal (STF) um pedido para que a Corte derrubasse a medida tomada por Maranhão.

Em razão da decisão de Maranhão, colocou-se em dúvida se o resumo do relatório aprovado pela comissão especial de impeachment seria lido na sessão desta segunda do Senado – exigência para que a matéria seja votada pelo plenário.

Repercussão da medida

 Depois de reunião com as principais lideranças partidárias do Senado, Renan Calheiros anunciou que, mesmo com a decisão de Maranhão – considerada "intempestiva" –, a leitura do resumo do relatório e a sessão do plenário desta quarta-feira estavam mantidas. Se a abertura do processo for aprovada pelos senadores, Dilma será afastada da Presidência da República por até 180 dias.
Ao justificar a decisão de tentar anular a sessão da Câmara – e antes de voltar atrás –, Maranhão disse que o objetivo era "salvar a democracia".

Dentre as reações à medida de Maranhão, partidos de oposição ameaçavam denunciá-lo ao Conselho de Ética, integrantes da mesa diretora já tinham programado uma reunião para pressionar o presidente interino a revogar a decisão e deputados do PP iniciaram um movimento para expulsá-lo do partido.

Antes de anunciar a decisão pela manhã, o presidente interino se reuniu duas vezes com o ministro José Eduardo Cardozo, da Advocacia-Geral da União (AGU) – autora do pedido para anular a sessão –, e consultou o governador do Maranhão, Flavio Dino (PCdoB), contrário ao impeachment da presidente Dilma Rousseff.
Ofício do presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão, com a revogação da decisão de anular a sessão que aprovou abertura do processo de impeachment (Foto: Reprodução)Ofício do presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão, com a revogação da decisão de anular a sessão que aprovou abertura do processo de impeachment (Foto: Reprodução)

Ofício assinado por Waldir Maranhão endereçado ao presidente do Senado, Renan Calheiros (Foto: Reprodução)Ofício assinado por Waldir Maranhão endereçado ao presidente do Senado, Renan Calheiros (Foto: Reprodução)
 

2016/05/09

Mesa Diretora da Câmara estuda revogar ato de Maranhão, diz Mansur

Presidente interino da Câmara tentou anular votação do impeachment.
Reunião da cúpula da Câmara foi convocada para terça-feira.

O primeiro-secretário da Câmara, Beto Mansur (PRB-SP), anunciou nesta segunda-feira (9) que a Mesa Diretora da Casa estuda meios de revogar a decisão do presidente interino da Casa, Waldir Maranhão (PP-MA), para tentar anular a votação do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Uma reunião do colegiado foi convocada para as 11h desta terça-feira (10).

A decisão de Maranhão acabou sendo ignorada pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), que deu continuidade à tramitação do processo. Mesmo assim, a Mesa Diretora pretende discutir a decisão tomada por ele sem sequer consultar nenhum integrante do colegiado, como é de praxe. Segundo Mansur, Maranhão será convidado para participar da reunião e o objetivo é tentar convencê-lo a revogar a sua decisão.

“O presidente em exercício não consultou absolutamente nenhum dos componentes da Mesa, o que, para nós, é um absurdo”, afirmou Mansur. “A Mesa Diretora é uma instância em que, de alguma maneira, é julgadora. Então, vamos discutir, possivelmente com o Maranhão, de que maneira podemos revogar esse ato que ele fez”, explicou. E continuou: “Estamos vendo o que é possível para poder controlar o deputado Waldir Maranhão nos seus atos”.

A Mesa Diretora é formada por sete integrantes: o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), hoje afastado, o primeiro-vice-presidente, Waldir Maranhão, que está como presidente interino no lugar dele, e mais quatro secretários titulares, entre eles Mansur. Há ainda outros quatro secretários suplentes.

http://g1.globo.com/politica/processo-de-impeachment-de-dilma/noticia/2016/05/mesa-diretora-da-camara-estuda-revogar-ato-de-maranhao-diz-mansur.html

OAB diz que vai ao STF contra suspensão da votação do impeachment

Waldir Maranhão (PP-MA) acolheu pedido da Advocacia-Geral da União.
Maranhão assumiu presidência da Câmara com afastamento de Cunha.

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) divulgou nota nesta segunda-feira (9) afirmando que deve recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra a decisão do presidente interino da Câmara dos Deputados, Waldir Maranhão, de suspender o processo de impeachment da presidente da República.

Leia a íntegra da nota:

"OAB avalia ir ao STF contra suspensão do processo de impeachment
O presidente nacional da OAB, Claudio Lamachia, manifestou-se na manhã desta segunda-feira (09), sobre a decisão do presidente interino da Câmara dos Deputados, Waldir Maranhão, de suspender o processo de impeachment da presidente da República.

Lamachia determinou ao departamento jurídico do Conselho federal da OAB a realização imediata de um estudo para ingressar junto ao Supremo Tribunal Federal contra a decisão.

"A OAB vê com extrema preocupação a decisão tomada pelo presidente interino da Câmara. Esse tipo de ação atende a interesses momentâneos de alguns grupos políticos, mas ignora as decisões legítimas já tomadas. O Brasil está na UTI política, vivendo o ápice de uma crise ética e institucional. A OAB não aceita que, neste momento em que a sociedade brasileira espera que a crise seja superada com respeito a Constituição Federal, coloque-se em prática um vale-tudo à margem da Carta", afirma Claudio Lamachia."

Waldir Maranhão substituiu Eduardo Cunha na presidência da Câmara na semana passada depois que o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu afastar o peemedebista do comando da casa legislativa. O deputado do PP votou contra a continuidade do processo de impeachment na votação da Câmara, descumprindo decisão de seu partido, que havia fechado questão a favor do afastamento da presidente da República.

No despacho no qual anulou a votação da Câmara, Maranhão marcou uma nova votação, para daqui a 5 sessões do plenário da Casa, para os deputados federais voltarem a analisar o pedido impeachment. O prazo começa a contar no momento em que o processo for devolvido para a Casa pelo Senado.
Segundo o G1 apurou, Waldir Maranhão participou, durante o fim de semana e na manhã desta segunda-feira, de reuniões com integrantes do governo federal, deputados do PT e do PC do B. O advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, teria participado desses encontros.

http://g1.globo.com/politica/processo-de-impeachment-de-dilma/noticia/2016/05/oab-diz-que-vai-ao-stf-contra-suspensao-da-votacao-do-impeachment.html

2016/05/06

Sicoob Cred Rio Norte e Sindicato Rural de Campos discutem parceria

O Sicoob Cred Rio Norte, agora Sicoob Fluminense, recebeu nesta sexta-feira, seis de maio, a visita do presidente e vice-presidente do Sindicato Rural de Campos, Ronaldo Bhartolomeu e Jorge Crespo. O objetivo foi o de dar início à discussão de uma ampla parceria entre as entidades, que poderá ir das devidas movimentações financeiras até a instalação de um posto de atendimento da cooperativa de crédito no sindicato.

Os dois sindicalistas foram recebidos pelo presidente do Sicoob Cred Rio Norte, Gil Menezes, e pelo consultor Neilton Ribeiro da Silva, que fez uma apresentação envolvendo o sistema cooperativista no Brasil, o mecanismo de trabalho do Sicoob e os últimos e expressivos números da instituição de Campos dos Goytacazes, que teve crescimento em todos os setores de atuação em relação ao ramo cooperativismo de crédito, e já conta com mais de 6.500 associados. Recentemente, o Sicoob Cred Rio Norte recebeu autorização do Banco Central para atuar em todo o estado do Rio de Janeiro, sendo que até então a área de cobertura era a do Norte, Noroeste e Leste (Lagos) Fluminense.

Ronaldo Bhartolomeu e Jorge Crespo, que integram a nova diretoria do Sindicato Rural de Campos, estavam acompanhados de um dos delegados do Sicoob Cred Rio Norte, Uilson Valter de Souza, de Morro do Coco, e também foram assistidos pela responsável pelo posto da cooperativa na localidade, Juliana Ribeiro. Na oportunidade, o presidente do sindicato revelou que começa a ser desenvolvido um trabalho de ampliação do quadro de associados, e que, com a concretização do convênio com o Sicoob Cred Rio Norte, as contas dos produtores, que na maioria operam com a produção de leite e carne bovina, passariam para a cooperativa, assim como a própria movimentação financeira da unidade sindical.

Neilton Silva explicou as vantagens do sistema cooperativista – o Sicoob já é a sexta maior instituição financeira em operação no mercado brasileiro – em relação aos bancos tradicionais, enquanto Gil Menezes detalhou as questões referentes ao crédito rural oferecido pela cooperativa.

Da reunião resultou uma solicitação de abertura de um posto do Sicoob Cred Rio Norte no Sindicato Rural de Campos, que poderia inclusive atender ao bairro Pecuária, o que será estudado pela direção da cooperativa, e uma oferta para o Sicoob Cred Rio Norte ocupar a área do sindicato durante a realização da Exposição Agropecuária e Industrial de Campos, em julho,  para divulgar o trabalho realizado e responder a dúvidas dos produtores. Também ficou de ser marcada uma data para uma visita da direção da cooperativa ao sindicato, ocasião em que uma explanação mais ampla do Sicoob Cred Rio Norte deverá ser realizada.  

www.sicoobcredrionorte.com.br
(22) 27262750

2016/05/04

Relator dá parecer favorável ao impeachment de Dilma

Se plenário aprovar abertura do processo, Dilma é afastada por até 180 dias.
Relator leu parecer na comissão do impeachment, que votará na sexta.

O relator da comissão especial do impeachment no Senado, Antonio Anastasia (PSDB-MG), começou nesta quarta-feira (4) a ler o relatório que recomenda a abertura do processo de afastamento da presidente Dilma Rousseff. Se na próxima semana o plenário concordar com o relator e aprovar o parecer, Dilma será afastada por até 180 dias e o vice-presidente Michel Temer assumirá.

LEIA A ÍNTEGRA DO RELATÓRIO

Após a leitura nesta quarta, os integrantes da comissão debaterão o relatório nesta quinta (5) e votarão na sexta (6). Se a comissão aprovar, o parecer será submetido à votação pelo plenário, provavelmente na próxima quarta-feira (11). Caso o plenário aprove, durante o afastamento temporário de Dilma os senadores decidirão se a presidente deve ser afastada em definitivo.

"Em face do exposto, a denúncia apresenta os requisitos formais exigidos pela legislação de vigência, especialmente pela Constituição Federal, para o seu recebimento. O voto é pela admissibilidade da denúncia, com a consequente instauração do processo de impeachment, a abertura de prazo para a denunciada responder à acusação e o início da fase instrutória, em atendimento ao disposto no art. 49 da Lei no 1.079, de 1950", diz o texto escrito por Anastasia.

O senador iniciou às 15h20 a leitura do relatório para os membros da comissão especial do impeachment e não tinha terminado até a última atualização desta reportagem.

Mais em:
http://g1.globo.com/politica/processo-de-impeachment-de-dilma/noticia/2016/05/anastasia-apresenta-relatorio-pela-continuidade-do-impeachment.html

Presidente da OAB condena o uso do nome da instituição para a promoção de interesses políticos

Brasília – O presidente nacional da OAB, Claudio Lamachia, lamenta que o nome da instituição seja usado pelo ex-presidente Marcello Lavenère na comissão do impeachment do Senado para agredir a imprensa e para promover suas próprias paixões e interesses políticos, alheios às incumbências da Ordem dos Advogados do Brasil.

A OAB discutiu o tema do impeachment da presidente da República porque assim quis a classe que representa. “Após ampla consulta, os legítimos representantes das advogadas e dos advogados chegaram à conclusão, quase unânime, de que o impeachment é necessário. É próprio de instituições democráticas o respeito a decisões legítimas. A democracia deve de ser praticada e não apenas objeto de retórica", diz Lamachia.

“A OAB refuta o uso do termo golpe. O que a Ordem fez foi se posicionar tecnicamente de forma favorável a um remédio constitucional que é o impeachment”, afirma o presidente nacional da OAB.
As razões do pedido de impeachment feito pela OAB são as pedaladas fiscais (que já estão em análise pelo Congresso Nacional), as renúncias fiscais ilegais em favor da Fifa, a tentativa de obstrução do Judiciário e a nomeação de um aliado político para o cargo de ministro para beneficiá-lo com prerrogativas especiais. A íntegra da denúncia apresentada pela Ordem está disponível na internet.

“Na tentativa de confundir o público, instrumentalizando o título de ex-presidente da OAB, Marcello Lavenère é infeliz e irônico ao associar a Ordem dos Advogados do Brasil ao presidente da Câmara dos Deputados”, diz Lamachia. “É público que, há meses, tenho cobrado o afastamento imediato do presidente da Câmara para que ele pare de atrapalhar o trabalho das instituições e órgãos incumbidos de investigá-lo”, completa Lamachia.

http://www.oab.org.br/noticia/51569/presidente-da-oab-condena-o-uso-do-nome-da-instituicao-para-a-promocao-de-interesses-politicos?utm_source=3458&utm_medium=email&utm_campaign=OAB_Informa