2009/06/30

Troca troca na PMCG

Paralelamente às notícias de exonerações por conta de nepotismo na prefeitura de Campos dos Goytacazes, o Diário Oficial do município (o Blog Geral constatou na edição eletrônica) trouxe na sua edição de ontem, 29 de junho, a portaria 1890/2009, pela qual foi exonerado o médico César Ronald Pereira Gomes da superintendência de Saúde Coletiva da secretaria municipal de Saúde. Para o seu lugar, interinamente, responderá o próprio secretário de Saúde, Paulo Hirano, segundo a portaria 1891/2009, da mesma edição do DO.
Também do DO de 29 de junho consta a portaria 1888/2009, exonerando o secretário de Agricultura Nelson Daumas Barbosa. Em seu lugar foi nomeado, interinamente, pela portaria 1889/2009, Robson Corrêa Vieira.

2009/06/29

Mangabeira sai do governo

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva confirmou hoje (29) que o ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos, Mangabeira Unger, deixará o cargo. Segundo Lula, ainda não há uma data definida para a saída de Mangabeira. "Ele vai para Harvard [Universidade de Harvard, nos Estados Unidos], não sei quando", disse em entrevista à imprensa após cerimônia de anúncio de medidas econômicas.

O ministro terá que deixar o governo porque a Universidade de Harvard, à qual Mangabeira é vinculado, não quis estender a licença dele, que vence em julho.

Mangabeira Unger está há dois anos à frente da secretaria, que é responsável, entre outras atividades, pela gestão do Plano Amazônia Sustentável.

Perguntado também sobre a possível saída da secretária da Receita Federal, Lina Vieira, Lula disse apenas que o ministro da Fazenda, Guido Mantega, é quem cuida do assunto.
Uol

Porteira arrombada (?)

E mail recebido do colega Raphael Perret, do grupo jornalistasdaweb.
"Aquele papo dos patrões de que vão continuar procurando jornalistas formados em faculdades de jornalismo não resistiu nem um semana. A Folha já publicou o anúncio abaixo, chamando qualquer um que se sinta um “novo talento” do jornalismo para trabalhar na Barão de Limeira. A bem da verdade, a Folha pelo menos nunca foi hipócrita – jamais escondeu que o seu sonho sempre foi fazer um jornal sem jornalistas formados, dizendo aos quatro ventos sempre que foi possível. Até já tentara essa manobra várias vezes, sendo obstada pelo sindicato em algumas vezes e pela realidade em outras tantas. O sonho agora está se tornando realidade."

Pelo menos o jornal não é hipócrita, sempre defendeu o fim da obrigatoriedade."
http://coleguinhas.wordpress.com/2009/06/27/folha-da-inicio-ao-estouro-da-boiada

2009/06/24

Protesto de jornalistas 2


Walter Campanato/ABr
Agência Brasil
Uol

Cerca de 150 pessoas fizeram hoje (24) uma manifestação em frente ao Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília, pedindo a saída do ministro Gilmar Mendes, presidente da Casa. Os manifestantes espalharam velas e cartazes pela praça dos Três Poderes, onde o Supremo divide o espaço com o Congresso Nacional e o Palácio do Planalto.

Para o educador e integrante do movimento Saia às Ruas, José Teixeira, o ato político é um protesto contra o comportamento dos ministros do STF. "Nós queremos uma luz para o Judiciário, a questão de fundo é repensar um Judiciário mais ético", disse. O protesto, organizado pelo movimento, também está sendo realizado em São Paulo e Belo Horizonte.

Além de discursos dos participantes do movimento, a manifestação terá o clima das festas juninas, com direito a dança de quadrilha e casamento na roça. "Também vamos ter um casamento antes da dança da quadrilha, a idéia é realizar o casamento de Daniel Dantas com Gilmar Mendes", contou Teixeira.

Para a funcionária pública aposentada Aparecida Virgínia, o protesto é para mostrar a indignação da sociedade contra o STF. "O Supremo está usurpando os poderes do Executivo e do Legislativo. As pessoas têm que se indignar. O que está acontecendo no Brasil é uma bandalheira, uma falta de governo", disse.

Um movimento organizado por estudantes de jornalismo aproveitou a oportunidade para protestar contra a decisão do STF em relação ao fim da obrigatoriedade do diploma para o exercício da profissão. Segundo a estudante Mariana Garcia, esse é só o início das mobilizações. "A gente não concorda com toda essa barbaridade que ele [Gilmar Mendes] vem aprontando e, por isso, resolveu mobilizar o máximo de jornalistas, estudantes e gente que é contra ele", afirmou.

O presidente do Sindicato dos Jornalistas do Distrito Federal, Romário Schettino, também compareceu ao ato político. Segundo ele, o ministro Gilmar Mendes é o principal responsável pelo fim da regulamentação da profissão. "O STF está na contramão da expectativa da sociedade brasileira, porque a maioria do povo brasileiro acha que é preciso ter diploma para ser jornalista."

Protesto de jornalistas


Yahoo
Cutitiba (PR)

40 senadores já assinaram PEC que prevê exigência de diploma para jornalistas

Da Agência Brasil
O senador Antônio Carlos Valadares (PSB-SE) afirma já ter coletado 40 assinaturas de apoio à apresentação de uma proposta de emenda à Constituição (PEC) que exige diploma de curso superior de comunicação social para o exercício da profissão de jornalista. Para a apresentação da PEC são necessárias 27 assinaturas.

Segundo a proposta, o exercício da profissão de jornalista será privativo de portador de diploma de curso superior de comunicação social, com habilitação em jornalismo, expedido por curso reconhecido pelo Ministério da Educação. Além disso, acrescenta um parágrafo único, que torna facultativa a exigência do diploma para colaboradores.

Consultado, o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Maurício Corrêa afirmou "ser possível tornar obrigatória a exigência do diploma por meio de emenda constitucional". Mas Corrêa chamou a atenção para o risco de a iniciativa ser interpretada como repreensão à decisão do STF, na semana passada, que dispensou o diploma para o exercício profissional de jornalista.

O senador Antonio Carlos Valadares solicitará também que o Senado realize audiências públicas na Comissão de Constituição, Justiça e de Cidadania (CCJ), com representantes de associações e federações de jornalistas e da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), além de estudantes e jornalistas. Segundo ele, o objetivo dessas audiências será o de aperfeiçoar o texto da PEC.
Uol

Jornalistas: nova discussão sobre o fim do diploma

Da Agência Câmara
A Comissão de Desenvolvimento Econômico da Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (24) requerimento do deputado Miguel Corrêa (PT-MG) para a realização de uma audiência pública sobre a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de acabar com a obrigatoriedade de diploma em jornalismo para o exercício da profissão de jornalista. Segundo o deputado, a matéria é polêmica e merece um debate mais amplo. A data da audiência e os convidados ainda não foram definidos.

O ministro Gilmar Mendes, relator do caso no STF, disse que não há possibilidade de o Congresso reverter o que foi decidido pelo Supremo e explicou que, futuramente, a decisão deve atingir outras profissões regulamentadas.
Para Corrêa, no entanto, o Legislativo está apenas cumprindo o seu papel. "É uma posição do ministro do Supremo e eu respeito inteiramente. Agora, é óbvio também que isto não impede a Casa Legislativa de manter os seus trabalhos. Aqui no Congresso, nós temos outro entendimento."

Confusão conceitual
Para o deputado Paulo Pimenta (PT-RS), que tem diploma de jornalista, o Supremo confundiu liberdade de expressão com o exercício da atividade profissional. Ele está colhendo assinaturas para a apresentação de uma Proposta de Emenda à Constituição que volte com a obrigatoriedade do diploma.

O deputado assinala que a sociedade e o Parlamento já começaram a compreender o prejuízo que a medida trará para a sociedade, inclusive com a desregulamentação futura de outras profissões. Ele citou, em particular, o caso das universidades que formam os profissionais que podem ter suas profissões desregulamentadas como antropólogos, cientistas sociais e professores de educação física, entre outros.

"A sociedade já está começando a se dar conta de que o voto do ministro Gilmar Mendes não acaba só com o diploma de jornalista, mas abre caminho para que outras profissões deixem de existir no Brasil".

Súmula legislativa
Na Câmara, desde 2008, a Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público examina projetos que regulamentam profissões a partir de uma súmula que recomenda a rejeição de propostas sobre reserva de mercado para determinados profissionais em detrimento de outros com formação idêntica.

A comissão também tem rejeitado as propostas que não estabelecem deveres e responsabilidades para o exercício profissional e aquelas que não possuem órgão fiscalizador. Estes órgãos têm que ser criados por projetos de iniciativa do Executivo.
Uol

Plano para assassinar presidente da OAB-RJ

A polícia do Rio investiga um suposto plano de criminosos para assassinar o presidente da OAB-RJ (Ordem dos Advogados do Brasil no Rio), Wadih Damous. Segundo informações da Secretaria de Segurança Pública do Rio, no final de maio, a subsecretaria de inteligência do Estado obteve informações de que ele poderia sofrer um atentado.

De acordo com a assessoria da OAB-RJ, a informação chegou ao conhecimento da polícia no dia 20 de maio, por meio do Disque-Denúncia. Entretanto, a Secretaria de Segurança não informou porque os criminosos tinha interesse em matá-lo para não atrapalhar as investigações.

A presidência da OAB-RJ informou que Damous passou a circular sob a proteção de uma escolta armada particular, depois de ser alertado pelo subsecretário de inteligência do Estado do Rio, Rivaldo Barbosa, da existência de um plano para assassiná-lo.

Segundo a Secretaria de Segurança, dois homens demonstraram conhecer dados oficiais de Damous e conversavam sobre um esquema de tentativa de assassinato dele em um bar nas proximidades da Universidade Gama Filho, no bairro Piedade, na zona norte do Rio.

De acordo com Barbosa, uma quadrilha conhecia o endereço, o carro utilizado e o trajeto que o presidente faz diariamente a caminho do trabalho.

Perseguição

A presidência da OAB-RJ informou que, recentemente, um dos seguranças contratados para proteger Damous anotou o número da placa de um carro que seguia o presidente da Ordem.

"A informação já está em poder das autoridades policiais desde a segunda-feira (29) desta semana", disse em nota a assessoria do presidente.

O secretário de Segurança Pública do Rio, José Mariano Beltrame, disse por meio de sua assessoria, que é de praxe avisar sobre ameaças de morte no mesmo dia de chegada da denúncia. A secretaria ainda informou que não foi preciso oferecer escolta a Damous, porque ele optou em contratar seguranças particulares.
Uol

Escritório

Poema adaptado para Campos

No meio do caminho

No meio do caminho tinha UM BURACO
tinha UM BURACO no meio do caminho
tinha UM BURACO
no meio do caminho tinha UM BURACO.

Nunca me esquecerei desse acontecimento
na vida de minhas retinas tão fatigadas.
Nunca me esquecerei que no meio do caminho
tinha UM BURACO.
Tinha UM BURACO no meio do caminho
no meio do caminho tinha UM BURACO.



Com a licença poética do inesquecível Carlos Drmmond de Andrade

2009/06/23

Manifestação



Imagens da manifestação feita no final da tarde de ontem por moradores da rua Tenente Coronel Cardoso, no trecho entre a rua dos Goytacazes e a rua Riachuelo,área central da cidade, contra o descaso da PMCG em relação à condição de trânsito no local, devido ao grande número de buracos. A qualidade não é boa por que foram extraídas diretamente da TV Litoral, pelo programa "De olho na cidade" de hoje de manhã.

2009/06/19

OAB considera erro do STF fim de diploma de jornalismo

O presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Cezar Britto, classificou hoje como "um erro de avaliação" a decisão do Supremo Tribunal Federal que declarou inconstitucional a exigência obrigatória de diploma para o exercício da profissão de jornalista.

Segundo Britto a independência e a qualidade necessárias ao correto trabalho jornalístico são "obtidas somente com diploma e com o registro no Ministério do Trabalho. O primeiro garante a qualidade técnica e o segundo a qualidade ética."

Britto argumentou ainda que a legislação vigente até então já garantia reserva de mercado para outros profissionais atuarem na imprensa, por meio das figuras do colaborador e do articulista.

"A decisão do STF, na minha compreensão, não observou corretamente qual é o papel do jornalista e a sua função na defesa da liberdade de expressão", afirmou o dirigente da OAB.
Marco Antonio Soalheiro / Agência Brasil
www.campograndenews.com.br

2009/06/18

Hélio Costa defende que Congresso aprove lei que exija curso superior para jornalista

O ministro Hélio Costa (Comunicações) lamentou nesta quinta-feira a decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) de acabar com a exigência do diploma para o exercício da profissão de jornalista. Costa disse ter ficado "muito triste" com o julgamento, e sugeriu que o Congresso crie um projeto de lei que contemple a exigência de curso superior para o exercício do jornalismo.

"Fiquei muito triste com isso, porque sou um defensor do diploma de jornalista. Sou jornalista não-diplomado, porém, com vários cursos de jornalismo. Comecei minha carreira aos 16 anos. Sinto que é muito importante ter uma formação acadêmica para desempenhar uma profissão tão importante", afirmou, depois de participar de cerimônia referente ao programa Luz para Todos, na sede de Furnas, no Rio.

Segundo Costa, bastaria a iniciativa de um parlamentar para que a questão comece a ser debatida no Congresso. Ele acentuou que a Casa precisa entrar no debate sobre o tema, que tem muitas dúvidas, e por isso, acaba sempre parando no STF.

"O que está acontecendo é que, quando há dúvidas, elas vão parar no STF. E o STF decide em cima do histórico jurídico da matéria que é apresentada. Acho que vale a pena o Congresso discutir essa questão e encontrar um caminho para oficializar a importância do diploma na profissão do jornalismo", observou.

Para o ministro, o jornalismo mexe com assuntos muito sensíveis, e que em função disso, pode ser comparado a outras profissões que tem grande necessidade do diploma. Costa disse ainda não ter considerado um deboche a declaração do presidente do STF, Gilmar Mendes, que comparou a profissão de jornalista com a de um cozinheiro.

"Não acho que ele quis debochar. Mas é uma comparação que não faria", completou.

CIRILO JUNIOR
da Folha Online, no Rio

2009/06/17

Jornalismo de luto, sem luta

Senhores e senhoras colegas, guardem a data de hoje. 17/06/09.
Infelizmente, a anotação em seus caderninhos será de amargas lembranças e de uma constatação, no futuro, de que os jornalistas sentiram hoje um duro golpe. Com a decisão do Supremo Tribunal Federal , por oito votos a um, pela não exigência do diploma para o exercício da profissão de jornalista, atendendo a uma ação do Sindicato das Empresas de Rádio e Televisão do estado de São Paulo e do Ministério Público Federal (que na verdade contestava uma decisão do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, que determinou a obrigatoriedade do diploma), a categoria, pouco a pouco, se desintegrará.
Certos argumentos utilizados pelo ministro Gilmar Mendes, relator da ação, são de uma simplicidade, e, por que não, de uma fragilidade tão clara que deixam à mostra o quão superficial foi a questão discutida na sociedade.
Vejamos: “Os jornalistas se dedicam ao exercício pleno da liberdade de expressão. O jornalismo e a liberdade de expressão, portanto, são atividades imbricadas por sua própria natureza e não podem ser pensadas e tratadas de forma separada”. Ora, não se pode confundir o acesso à liberdade de expressão com todo um sistema de preparação de profissionais para a área de comunicação, muito mais abrangente do que pensa o ministro Mendes e os demais que acompanharam o voto do relator. Comunicação é, em suma, uma ciência, que envolve o homem, a sociedade, as relações humanas. Comunicação não verbal, interpessoal, empresarial, enfim, dos mais diferentes tipos – será que toda e qualquer pessoa tem a capacidade de compreendê-los, simplesmente?
Outra: “Um excelente chefe de cozinha poderá ser formado numa faculdade de culinária, o que não legitima estarmos a exigir que toda e qualquer refeição seja feita por profissional registrado mediante diploma de curso superior nessa área”. Sinceramente, ministro, menos. Com a devida vênia, se for para popularizar o linguajar, cada macaco no seu galho. A educação superior é a parte de maior substância na base da formação jornalística. É através dela que se tem contato com a história, o entendimento da formação da sociedade e suas formas de comunicação, a evolução dos meios, etc. O alicerce sempre fará falta.
Certamente vozes se levantarão para lembrar inúmeros bons jornalistas que, no passado, e alguns ainda nos dias de hoje, por força de terem somado tempo de serviço anterior à exigência do diploma, fizeram (e fazem) um bom trabalho. Mas é muito mais difícil o surgimento de bons profissionais sem uma preparação específica do que o levante de uma nação de robôs, zumbis, idiotas e afins que se arvorarão de jornalistas.
Com raras exceções, e entre elas as conhecidas estrelas da TV, os salários dos jornalistas são e sempre foram uma piada sem graça. Em regra, é uma categoria sem força sindical, do que se aproveitam os proprietários dos órgãos de comunicação para manterem o piso num patamar indigno. Um vício com uma pitada da vaidade profissional, que muitas vezes faz o profissional (ainda profissional!) aceitar trabalhar dessa forma. Façamos mea culpa colegas.
Vamos ver, agora, se jornalismo é mesmo sacerdócio, como a maioria dos novatos ouve, no sentido de que eles se joguem nas moendas dos meios de comunicação, porque os novos “jornalistas” terão de aceitar os salários que a classe recebe. Ou melhor, recebia, pois os índices vão gradativamente diminuir, certamente.
Alguém tem dúvidas de que o desemprego na área de comunicação, que já é considerado considerável, vai aumentar? O que levaria um proprietário de rádio ou jornal, por exemplo, a manter no seu quadro um profissional com um determinado salário sabendo que tem um filho, afilhado, sobrinho, primo, cunhado ou neto que tão bem soube escrever aquela cartinha para a avó? O nível de excelência de sua rádio ou jornal? Não, o nível salarial. O “nível de nivelar por baixo” por que jornalismo também é negócio. “Farinha pouca meu pirão primeiro”? – quem se importa com a informação e conscientização popular? Aliás, sem ela o próprio povo não enxergará e não terá como discutir e exigir qualidade. Se foi, sutilmente ou não, para a “manipulação das massas”, acertaram quase na mosca.
De imediato, não se assustem se efetivamente a qualidade de grande parte dos meios de comunicação cair de modo acentuado. Dizem que o Brasil tem 180 milhões de técnicos de futebol, e deverá passar a ter (pelo menos perto disso) 180 milhões de jornalistas, com teses que vão do acasalamento do mosquito Aedes Aegypti ao funcionamento de uma base terráquea na lua.
Em Campos já temos há tempos a invasão de rádios (especialmente) por pessoas que de radialistas não têm nem o sotaque, em horários comprados, num sucateamento do setor e da própria tradição do rádio campista e, a reboque, da cultura.
Imaginem os universitários que estão saindo agora das faculdades e universidades. É ou não, a eles, um ato lesivo a não obrigatoriedade do diploma?
Aliás, o que será dos cursos de comunicação?
Se a idéia é a de permitir a todo cidadão a liberdade de expressão, melhor seria os governos serem fiscalizados em relação ao uso da verba pública em propaganda, muitas vezes dissimulada ou mentirosa, e seria melhor a fiscalização sobre a manipulação da informação, em toda a sua linha de existência, por órgãos públicos e privados. Isso seria, de início, o básico para que os cidadãos efetivamente soubessem em que sociedade vivem, podendo, assim, expressar da melhor forma seu pensamento.
Mas para os pais da idéia de se acabar com a obrigatoriedade do diploma essa deve ser uma outra discussão.
Acredito que não.

Ficha suja e reforma eleitoral

Os eleitores poderão ter conhecimento de quais candidatos têm "ficha suja" (sofrem processos ou foram condenados na Justiça por irregularidades) antes da eleição, segundo a proposta de reforma eleitoral em discussão na Câmara dos Deputados. A proposta foi divulgada após reunião, ontem, da comissão formada para discutir a proposta. Eles definiram as novas regras de propaganda eleitoral. As modificações sobre o uso da internet na campanha devem ser consolidadas ainda nesta semana.

2009/06/16

2009/06/15

PT e Cabral


O deputado Rodrigo Neves, líder do PT na Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro, participa agora à noite de uma reunião da executiva do partido em Campos dos Goytacazes.
À tarde ele esteve reunido com o Reitor da UENF, Almy Júnior Carvalho, quando se comprometeu a apoiar a universidade em relação à realização de seu concurso para docentes, e em seguida foi recebido pela direção do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Purificação e Distribuição de Água e em Serviços de Esgotos de Campos e Região Norte e Noroeste Fluminense. Na oportunidade (foto, onde está de blazer escuro) Neves ratificou a posição da bancada do PT na Alerj contra qualquer privatização nos serviços referente à distribuição de água e saneamento no estado, e falou dos recursos do PAC para o setor - algo em torno de R$ 500 milhões para este ano.
Em relação à política, o parlamentar disse não ter dúvidas de que o PT vai apoiar o governador Sérgio Cabral rumo à reeleição, com o PMDB apoiando a ministra Dilma Roussef à sucessão do presidente Lula.

2009/06/11

Deputado em Campos

O deputado estadual Rodrigo Neves, líder do PT na Alerj, vai estar em Campos na próxima segunda-feira. Às 15h30m o parlamentar participará do programa Tribuna Livre, na rádio Continental, que discute questões sindicais, e em seguida estará no Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Purificação e Distribuição de Água e em Serviços de Esgotos de Campos e Região Norte e Noroeste do Estado do Rio de Janeiro (Cedae). Na pauta deverão estar as reivindicações dos trabalhadores e os rumos da Cedae nos municípios em que ainda atua.
Neves também deverá visitar órgãos de imprensa (Monitor Campista e Folha da Manhã estão confirmados)e às 19 horas estará na reunião do PT. A expectativa é a do comparecimento expressivo de filiados e simpatizantes.

2009/06/09

Cães fazem bem aos donos



Lucky


Não faltam demonstrações do bem-estar que a convivência com pelo menos um cão faz ao ser humano - bem-estar não só emocional, mas também físico. Há poucas coisas melhores (pensando bem, há mesmo?) que chegar em casa e ser recepcionado por latidos de reconhecimento (é ótimo como cães "escutam" a presença do dono mesmo estando ele ainda do outro lado da rua), um rabo abanando, um cheiro na perna ou um pulo daqueles que fazem a glória de Dino, o cão-dinossauro dos Flintstones. Tem ainda a atenção que ele presta quando lhe contamos nossos problemas ou prazeres - todos conhecemos alguma história de amigo que nos ajudou muito a resolver algum percalço só de ouvir atentamente quando lho (gostou?) contamos, e o cão é ideal para esse papel.


Também não faltam provas cabais de tudo isso. Por exemplo, uma pesquisa científica feita na Suécia em 1991 e 1996 com exatamente 1649 crianças a partir de sete anos concluiu que as felizardas que possuíam animais de estimação desde o primeiro ano de vida estavam menos sujeitas a asma e rinite alérgica. Outro estudo similar feito nos EUA com 1246 crianças acompanhadas do nascimento aos 13 anos de idade concluiu em 2001 que "crianças morando em lares com um ou mais cães dentro de casa [ou seja, não simplesmente largados em quartinho ou quintal, mas realmente convivendo com os donos] desde o nascimento tiveram menos probabilidades de desenvolver respiração ofegante crônica do que as que não tinham cães dentro de casa" e "a exposição a cães na primeira infância pode prevenir o desenvolvimento de sintomas de asma, pelo menos em crianças de baixo risco sem histórico de asma na família". Outro estudo estadunidense, publicado em 1995, concluiu que "a posse de animais de estimação proporciona uma oportunidade de melhorar a saúde. Um bicho pode se tornar estímulo para fazer exercícios físicos, reduzir a ansiedade e proporcionar um foco externo de atenção.


Animais de estimação são também uma fonte de contato e conforto físico e podem reduzir a solidão e a depressão, além de proporcionar um estilo de vida interessante. Embora as provas disponíveis estejam longe de ser consistentes, pode-se concluir que, em alguns casos, relacionamentos de longo prazo com animais podem moderar variáveis fisiológicas primárias, particularmente pressão sanguínea." Agora veja o que é ainda mais interessante nesta pesquisa: "Os resultados se mostraram mais coerentes em estudos onde animais foram adotados pelos donos como parte do procedimento." Resumindo numa só frase: adotar é tudo de bom... e mais um pouco.

Por Ayrton Mugnaini Jr./ Especial para o Yahoo! Brasil
c/ed.

Macaé, Campos e o VLT

Pela agenda oficial, o secretário estadual de Transportes, Júlio Lopes, estará daqui a pouco, às 15h30m, no Isecensa, em Campos dos Goytacazes, onde fará uma palestra para universitários sobre a duplicação da BR-101 e mobilidade urbana.
Hoje pela manhã, Lopes esteve em Macaé, sendo que um dos principais assuntos tratados com o prefeito Riverton Mussi foi a instalação, naquele município, de um sistema VLT (Veículo Leve sobre Trilhos), popularmente chamado de metrô de superfície.
Atores políticos à parte, não podemos deixar de lembrar que, durante a campanha para a sucessão municipal em Campos, o grupo que conseguiu eleger a prefeita Rosinha Garotinho torpedeou impiedosa e insistentemente a idéia do VLT em Campos lançada pelo então candidato Arnaldo Vianna, taxando-a de megalômana e impossível.
Pois é, parece que a situação real não é exatamente essa, até por que ambos os municípios têm problemas sociais e ganhos de royalties semelhantes.
Macaé, se efetivamente confirmado o projeto, sai, uma vez mais, na frente.
É certo que a implantação de tal projeto em Campos não passa pelas prioridades da prefeita, principalmente por ter sido trazida à tona pelo deputado federal Arnaldo Vianna, mas também é certo que se um eficiente e urgente plano de “mobilidade urbana”, para usarmos o termo abordado por Lopes esta tarde, não for desenvolvido no município, num futuro muito próximo teremos um trânsito semelhante ao da Índia, caótico, estressante, contribuindo negativamente para a qualidade de vida da população.
E quem efetivamente usa o transporte coletivo, ou particular, sem benefício ou benesse de se ter um motorista, sabe disso.

2009/06/07

2009/06/05

Movimentação policial na área central

Ainda é intensa a movimentação de policiais na área central de Campos dos Goytacazes neste momento, principalmente na área da 134.ª DP, por conta da operação "Alta tensão", pela qual já foram presos o ex-presidente da Campos Luz, Sivaldo Abílio, a filha dele, Janaína Velasco e um ex-funcionário da empresa, Jaime Fiúza. As acusações são de desvio de dinheiro público.
Há informações desencontradas de órgãos de comunicação, mas acredita-se que há vários mandados de prisão e busca e apreensão para serem cumpridos.
A operação policial, que conta com mais de 100 agentes da polícia civil e apoio inclusive de um helicóptero, também estaria sendo estendida aos pontos de entrada da cidade e municípios vizinhos.
O delegado Luiz maurício Armond, coordenador do interior, deverá conceder uma entrevista coletiva nas próximas horas.

Prisão de Sivaldo Abílio

O blog recebeu a informação de que o ex-presidente da Campos Luz, de Campos dos Goytacazes, Sivaldo Abílio, foi preso por volta das 8 horas em seu apartamento, na região da Pelinca. Policiais do Core, do Rio de Janeiro, desde as cinco horas já estavam em frente ao prédio onde mora Sivaldo, numa grande operação que se estende por vários pontos da cidade e inclusive municípios vizinhos, como São Francisco do Itabapoana.

2009/06/04

Para lembrar: Kung Fu

Morre David Carradine


Phil McCarten/AP

da Folha Online
Atualizado às 12h30.
O ator David Carradine, estrela da série de TV dos anos 1970 "Kung Fu", foi encontrado morto nesta quinta-feira (4) em Bancoc, na Tailândia.
O porta-voz da embaixada dos Estados Unidos no país, Michael Turner, confirmou a morte do ator e disse que Carradine morreu entre a noite desta quarta-feira (3) e a manhã desta quinta, mas que não poderia fornecer detalhes em consideração à família do ator.
O site do jornal "The Nation" citou uma fonte não identificada da polícia que afirmou que o ator foi encontrado enforcado em seu quarto em um hotel de luxo e suspeita que tenha cometido suicídio.
O representante do ator, Chuck Binder, disse à rede "Fox" que a equipe notou a ausência do ator na quarta-feira à noite, depois que ele não apareceu na hora do jantar.
Quando o produtor foi ao quarto do ator na manhã seguinte, descobriu que ele estava morto, mas também não especificou as causas do falecimento.
Binder qualificou a morte de Carradine como algo "estremecedor e triste".
Carradine, nascido na Califórnia, Estados Unidos, era membro de uma famosa família de atores de Hollywood que inclui seu pai, o ator John Carradine, e seu irmão, Keith.
O ator trabalhou paralelamente no cinema e na televisão. Em 1971, o produtor Jerry Thorpe pediu que interpretasse o monge Kwai Chang Caine na série "Kung Fu", cujo sucesso o lançou à fama mundial.
Recentemente, o ator foi visto nos cinemas na série de filmes "Kill Bill", de Quentin Tarantino, no papel do personagem Bill.
Com Associated Press e Efe