2011/10/31

109 anos

                                                     MÃOS DADAS

Não serei o poeta de um mundo caduco.

Também não cantarei o mundo futuro.

Estou preso à vida e olho meus companheiros

Estão taciturnos mas nutrem grandes esperanças.

Entre eles, considere a enorme realidade.

O presente é tão grande, não nos afastemos.

Não nos afastemos muito, vamos de mãos dadas.

Não serei o cantor de uma mulher, de uma história.

não direi suspiros ao anoitecer, a paisagem vista na janela.

não distribuirei entorpecentes ou cartas de suicida.

não fugirei para ilhas nem serei raptado por serafins.

O tempo é a minha matéria, o tempo presente, os homens presentes,

a vida presente.


CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
31 de outubro de 1902
17 de agosto de 1987

2011/10/28

Granizo na BR 101

Uma forte chuva, com queda de granizo, assustou motoristas e moradores de áreas ao longo da BR 101, sentido Campos dos Goytacazes - Rio de Janeiro, instantes atrás, entre a localidade conhecida como Serrinha e o município de Casimiro de Abreu.
A visibilidade era muito ruim, o que obrigou os motoristas a pararem os veículos em acostamentos e locais de abrigo.
Até o momento não há informações sobre grandes danos ou acidentes.

Folhas de cheques trarão data de emissão impressa a partir de hoje

A partir desta sexta-feira (28) as folhas de cheques passarão a ter a data de confecção impressa, na lateral esquerda. O objetivo é aumentar a segurança, a transparência e a credibilidade nas operações.

A medida foi adotada atendendo a pedidos de comerciantes que reclamavam sobre o uso de folhas antigas de cheques.

A decisão foi aprovada há seis meses pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

Antes dessa decisão, apenas a data em que o correntista passava a ser cliente do banco vinha impressa nos cheques. Algumas instituições financeiras se anteciparam ao início do prazo de vigência da mudança e já incluíram a data de emissão.

O Banco Central (BC) informou que nos contratos os bancos serão obrigados a esclarecer os clientes sobre a nova medida e as alterações adotadas para liberar os talões.

De acordo com o BC, a alteração ajuda aquele que recebeu o cheque como pagamento e tem suspeitas de que o documento seja fraudado ou roubado. Para os especialistas, o procedimento para sustar o cheque ficará mais difícil, pois o correntista terá que apresentar um boletim de ocorrência policial sobre os motivos da sustação.

Pelas normas do BC, se o cheque foi roubado, poderá haver uma sustação provisória, mas em dois dias úteis o boletim de ocorrência terá de ser apresentado ao banco.

Uol
Renata Giraldi
Da Agência Brasil

2011/10/27

Procuradoria pede ação penal contra presidente e conselheiros do TCE-RJ

RIO - A Procuradoria Geral da República pediu a abertura de uma ação penal no Superior Tribunal de Justiça contra o presidente do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro, Jonas Lopes de Carvalho, e mais dois conselheiros do TCE-RJ, José Gomes Graciosa e José Nader (já aposentado).

Em denúncia assinada pelo subprocurador da República Carlos Eduardo de Oliveira Vasconcelos, os três são acusados de receber dinheiro, entre 2002 e 2003, para aprovar um contrato da empresa de contabilidade Grupo SIM com a prefeitura de Carapebus, no Norte fluminense, celebrado sem licitação.

Procuradoria pede afastamento de conselheiros
Eles também teriam facilitado a aprovação das contas da prefeitura, no mesmo esquema, para evitar que a cidade deixasse de receber os recursos do Fundo de Participação dos Municípios.

A denúncia, encaminhada ao relator do caso, ministro Castro Meira, pede o afastamento de Jonas e Graciosa tão logo a ação seja instaurada. Por gozar de foro privilegiado, eles têm direito a defesa prévia num prazo de 15 dias.

Também foram denunciados o proprietário da SIM, Sinval de Andrade, o ex-deputado José Nader Júnior, o ex-secretário municipal de Carapebus José Álvaro de Carvalho Lopes e mais cinco pessoas.

O suposto esquema foi descoberto em 2008, quando a Polícia Federal lançou a Operação Pasárgada, para investigar a venda de sentenças na Justiça mineira.

Com o desdobramento das investigações, a PF constatou que o Grupo SIM, supostamente envolvido com corrupção nas prefeituras de Minas Gerais, mantinha também um "contrato de gestão em contabilidade pública" com Carapebus desde abril de 1997. Como a empresa fora contratada sem licitação, o TCE-RJ abriu quatro processos para examinar a legalidade do contrato.

Apesar das suspeitas levantadas pelos auditores do TCE, que apontaram inúmeras irregularidades, Jonas Lopes de Carvalho e José Nader teriam conduzido a maioria dos conselheiros a legitimar o contrato, abrindo caminho para a SIM fazer negócio com outras cidades fluminenses.

As investigações demonstraram que o então secretário de Carapebus José Álvaro de Carvalho Lopes seria o operador do esquema de corrupção dos conselheiros. De acordo com a denúncia, ele teria se reunido com o então deputado Nader Júnior, em dezembro de 2002, para acertar o valor da propina.

Deputado teria solicitado propina de R$ 130 mil
Em depoimento à PF, o então advogado do grupo, Marcelo Abdalla, disse em 2008 que Sinval (dono da SIM) enviava valores diretamente a Nader Júnior. O deputado teria solicitado R$ 130 mil, em nome dos conselheiros, para "aprovar as contas do nosso amigo", referindo-se ao então prefeito de Carapebus, Eduardo Nunes Cordeiro.

Um e-mail recolhido pela PF atestou que cinco conselheiros receberiam R$ 20 mil cada, enquanto o intermediário ficaria com R$ 20 mil e outros R$ 10 mil seriam divididos entre a assessoria responsável pela defesa da SIM.

No computador de Cleide Maria de Alvarenga Andrade, mulher de Sinval, estão registrados quatro repasses ao TCE, entre dezembro de 2002 e março de 2003, exatamente no valor total de R$ 130 mil.

Os advogados Nélio Machado, que defende Jonas Lopes, e Wladimir Reali, de Gomes Graciosa, reclamaram do cerceamento do direito de defesa. Eles disseram que, tão logo tiveram conhecimento da denúncia por intermédio da imprensa, procuraram o STJ e a Procuradoria Geral da República, mas ambos negaram o acesso ao documento, razão pela qual ficaram impossibilitados de se manifestar.

José Nader e seu filho, Nader Júnior, não foram localizados para comentar o caso.

Chico Otavio (chico@oglobo.com.br)
http://oglobo.globo.com/rio/mat/2011/10/26/procuradoria-pede-acao-penal-contra-presidente-conselheiros-do-tce-rj-925668658.asp

2011/10/26

Pressionado, Orlando Silva deixa o Ministério do Esporte

Após inquérito no Supremo Tribunal Federal e sucessão de novas denúncias, ministro decide entregar o cargo à presidenta Dilma

O aumento das pressões provocadas pelo inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF) e a sucessão de novas denúncias de irregularidades no Ministério do Esporte levaram o ministro Orlando Silva a acatar o pedido feito pelo Palácio do Planalto e entregar o cargo. A notícia, antecipada nesta manhã pela coluna Poder Online, só foi confirmada pelo governo pouco depois das 17 horas. No entanto, líderes de partidos da base já haviam sido comunicados ontem sobre a provável demissão.

Ficou acertado, num primeiro momento, que a pasta será mantida sob comando do PC do B, mas a ordem dada foi a de não formalizar a decisão enquanto o substituto não fosse definido. Foram ventilados nomes como os do deputado Aldo Rebelo (SP) e do presidente da Embratur, Flávio Dino (PC do B-MA), e da ex-prefeita de Olinda Luciana Santos (PC do B-PE). Mas o governo manteve na mesa a possibilidade de a pasta ficar temporariamente nas mãos do secretário-executivo - hoje o posto é ocupado por Waldemar Manoel Silva de Souza (PC do B-RJ) - ou de um interino. Segundo líderes da base, a ideia é deixar a crise esfriar para fazer uma substituição definitiva em um cenário de menor tensão política.

A decisão de Orlando Silva de entregar o cargo, antecipada nesta manhã pela coluna Poder Online, foi sacramentada em reunião no Palácio do Planalto, entre a presidenta Dilma Rousseff, o ministro, dirigentes do PC do B, e o chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho. Mais cedo, já circulava a informação de que a saída de Orlando Silva era iminente e que Dilma deveria decidir seu destino ainda hoje, como adiantou o colunista do iG Guilherme Barros.

Todo o processo que culminou na decisão de trocar o comando do ministério foi traçado com o objetivo de preservar a autoridade de Dilma. A saída de Orlando Silva era consenso desde a semana passada e veio a público horas antes do horário agendado para o depoimento do policial João Dias Ferreira na Câmara dos Deputados. Delator do esquema no Esporte, Ferreira desistiu em cima da hora de comparecer ao Congresso para falar sobre as denúncias.

Faxina

Com a saída de Silva, a presidenta Dilma Rousseff perde seu sexto ministro em apenas 11 meses de governo. A "faxina" comandada na Esplanada dos Ministérios já derrubou Pedro Novais (PMDB-MA) do Turismo, Wagner Rossi (PMDB-SP) da Agricultura, Antonio Palocci (PT-SP) da Casa Civil, Alfredo Nascimento dos Transportes (PR-AM) e Nelson Jobim da Defesa (PMDB-RS). Apenas Jobim não caiu após denúncias de corrupção. Ele se afastou após a repercussão negativa provocada por declarações polêmicas sobre o governo e colegas de ministério.

A demissão do ministro do Esporte também remove mais um integrante do grupo de ministros herdados da administração do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em geral, Dilma tem escolhido nomes de sua confiança e de perfil mais técnico para substituir os ministros afastados em decorrência de denúncias de corrupção.

Tales Faria e Clarissa Oliveira, iG São Paulo | 26/10/2011 11:44 - Atualizada às 17:44
*Com informações de Ricardo Galhardo e Nara Alves, iG São Paulo, e Agência Estado

2011/10/24

Médicos fazem protestos e suspendem atendimento ao SUS nesta terça-feira

Na próxima terça-feira (25), médicos de todo o país prometem ir às ruas e suspender atendimentos para protestar contra a baixa remuneração e as más condições de trabalho e de assistência oferecidas na rede pública de saúde.

O movimento é coordenado pela Comissão Pró-SUS, composta por representantes do Conselho Federal de Medicina (CFM), da Associação Médica Brasileira (AMB) e da Federação Nacional dos Médicos (Fenam). A ideia é chamar a atenção das autoridades e da população para os problemas que afetam o setor.

“Com a mobilização queremos chamar a atenção das autoridades para a necessidade de mais recursos para a saúde, melhor remuneração para os profissionais e melhor assistência à população”, afirma o coordenador da Comissão Pró-SUS do CFM Aloísio Tibiriçá Miranda.

Paralisação

Em 19 Estados (Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Sergipe e Piauí) foi confirmada a suspensão dos atendimentos eletivos (consultas, exames e outros procedimentos) durante todo o dia, sendo que, no último, a paralisação deve se prolongar por 71 horas.

Em outros dois Estados, a paralisação será pontual: em Santa Catarina, deve acontecer durante a tarde e durar cerca de uma hora; em São Paulo, deverá acontecer apenas em algumas unidades de saúde, mas ao longo de todo o período.

Já no Distrito Federal e nos Estados do Mato Grosso do Sul, Paraná, Rio de Janeiro e Tocantins estão previstas apenas manifestações.

Nos locais em que se optou pela paralisação, serão suspensos os atendimentos eletivos (consultas, exames, cirurgias e outros procedimentos). No entanto, ficará assegurado o trabalho nas unidades de urgência e emergência.

No início do mês, o Conselho Federal de Medicina determinou aos Conselhos Regionais (CRMs) o envio de correspondências aos gestores públicos (secretários de saúde e diretores técnicos e clínicos de estabelecimentos de saúde) com um alerta sobre o movimento iminente. No documento, os responsáveis eram orientados a escalonar suas escalas e as marcações para evitar constrangimentos aos pacientes e seus familiares, bem como assegurar novas datas para os procedimentos desmarcados.

Em São Paulo

Para chamar atenção para o movimento, médicos vão "envelopar" a sede da Associação Paulista de Medicina (APM), no bairro da Bela Vista, em São Paulo, com a bandeira do Brasil. A solenidade terá participação de orquestra, que vai executar o Hino Nacional durante o ato, marcado para as 9h30.

Após café da manhã com imprensa e autoridades, está prevista uma passeata de médicos até a Câmara Municipal, onde haverá manifestação para sensibilizar os vereadores.

Na capital, o Movimento Saúde e Cidadania em Defesa do SUS conta com apoio de entidades como a Ordem dos Advogados do Brasil/SP, a Associação Brasileira de Defesa do Consumidor – ProTeste, a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), a Pastoral da Saúde/CNBB e o Idec (Instituto de Defesa do Consumidor), entre outras.

Do UOL Ciência e Saúde
Em São Paulo

2011/10/05

2011/10/02

Pensamento

"Tudo o que começa com raiva, acaba em vergonha."
Benjamim Franklin

Uma boa semana a todos.

2011/10/01

Cabral diz que pedirá a Sarney para adiar votação sobre royalties

Votação sobre partilha de recursos do petróleo está prevista para quarta (5). Governador do Rio de Janeiro quer evitar que estado perca recursos.

O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), disse neste sábado (1º) que vai pedir ao presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), o adiamento da votação do veto do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à chamada emenda Ibsen, que divide de maneira igualitária os royalties da exploração do petróleo e retira recursos dos principais estados produtores (Rio e Espírito Santo).

Cabral esteve na manhã deste sábado no Palácio do Planalto, em Brasília, onde participou, com a presidente Dilma Rousseff, de um encontro com o presidente da Renault-Nissan, Carlos Ghosn, que informou à presidente sobre a implantação, no Rio, de uma nova fábrica da montadora.

De acordo com o governador, a presidente concordou que este não é o momento mais adequado para se discutir a divisão de tributos do petróleo no Congresso. A votação da emenda Ibsen está marcada para a próxima quarta-feira (5).

Fábio Amato
Do G1, em Brasília

E só

Data máxima venia, não bastassem as imagens de ópera-bufa na sede da prefeitura de Campos; não bastassem os estandartes fustigando o estado democrático de direito; não bastassem os esforços para nos transformar de novo em piada nacional, de mau gosto; por sua vez alguns vereadores deveriam sentir vergonha. Se não perante a si próprios, mas ao menos perante suas famílias.