2016/06/29

Sicoob Cred Rio Norte vai integrar grupo de estudos - CMCG


 fotos: Viviane Chagas


A intenção de criação de um grupo de estudos, reunindo representantes de cooperativas de diversos segmentos de Campos e da região e membros do Poder Legislativo, a fim de que sejam levantadas demandas e discutidas ações práticas para o beneficiamento do setor, a exemplo de questões da legislação, foi um dos resultados do Seminário de Cooperativismo realizado na tarde desta quarta-feira, 29 de junho, na Câmara Municipal de Campos dos Goytacazes.
O evento fez parte de um leque de seminários que vem sendo realizado pela Câmara com o objetivo de discutir novas perspectivas de desenvolvimento pós-era do petróleo, já tendo abrangido áreas como agricultura e saúde. Com a coordenação do vereador Paulo Hirano, o seminário desta quarta-feira reuniu Alexandre Bastos, gerente técnico do Banco Central; Neilton Ribeiro da Silva, consultor do Sicoob Cred Rio Norte; Eliomar Torres, que representou a Organização das Coooperativas Brasileiras; Roberto Carvalho, da Unicred; Rodrigo Venâncio, presidente da Unimed; Otávio Amaral e Sandro Reis, da Cavil e Frederico Paes, da Coagro. Também participaram Eduardo Crespo, da Asflucam; o secretário de Desenvolvimento Econômico Orlando Portugal e o superintendente de Agricultura, Eduardo Alves.

Tendo sido convidado para falar sobre a questão da segurança em investimento no cooperativismo, Alexandre Bastos fez uma ampla explanação acerca do papel das instituições cooperativas dentro do sistema financeiro nacional, destacando o Fundo Garantidor do Cooperativismo de Crédito e a importância deste setor pelo mundo, especialmente em países europeus, demonstrando a possibilidade e necessidade de crescimento da área no Brasil. Hoje no país já existem mais de 10 milhões de cooperados em mais de 6.800 instituições, que lideram o número de postos de atendimento no mercado financeiro – no entanto, as cooperativas ainda possuem apenas quatro por cento de participação no mercado.

Por sua vez, Neilton Silva, que foi o responsável pelo contato com o Banco Central, ao falar sobre cooperativismo e desenvolvimento regional, lembrou a trajetória do Sicoob Cred Rio Norte, que completa 18 anos em julho – a instituição, com sede em Campos dos Goytacazes e diversas agências espalhadas pela região e capital, é hoje a única cooperativa de crédito de livre admissão do Rio de Janeiro, autorizada legalmente a operar em todo o estado.

O consultor do Sicoob Cred Rio Norte enfatizou, em relação ao mecanismo do cooperativismo de crédito, que os investimentos dos cooperados circulam no mesmo município onde a cooperativa de crédito está localizada, gerando desenvolvimento local diretamente, e ainda retornam aos próprios associados. Além disso ressaltou que as cooperativas de crédito oferecem os mesmos produtos e serviços dos bancos tradicionais, porém com taxas diferenciadas e mais fácil acesso.

Todos os participantes do Seminário de Cooperativismo da Câmara Municipal de Campos foram unânimes em reconhecer a importância das cooperativas, tanto de crédito como as de serviço, como das áreas de saúde e agricultura, para o crescimento regional. O primeiro desdobramento do evento será justamente a montagem do grupo de estudos, a partir de contatos a serem feitos entre representantes da Câmara e das cooperativas interessadas.

 

 

2016/06/28

Sicoob Cred Rio Norte participará de Seminário de Cooperativismo – CMCG

         O Sicoob Cred Rio Norte, através de seu consultor Neilton Ribeiro da Silva, vai participar nesta quarta-feira, 29 de junho, de um Seminário de Cooperativismo, organizado pela Câmara Municipal de Campos dos Goytacazes. O evento será aberto às 14 horas, e contará com a presença de representantes de diversas cooperativas do município e da região, assim como da Organização das Cooperativas Brasileiras e do Banco Central.

Diversos painéis serão desenvolvidos durante o seminário. A Neilton Silva caberá falar sobre o Cooperativismo de Crédito e o Desenvolvimento Regional – hoje o Sicoob Cred Rio Norte, com sede em Campos, é a única cooperativa de crédito de livre admissão do Rio de Janeiro, legalmente capacitada para operar em todo o estado, e com agências em várias cidades, incluindo a capital. Aos representantes do Bacen e da OCB, respectivamente, caberão os tópicos Segurança e Cooperativismo e Mecanismo de Operação das Cooperativas.
O Seminário de Cooperativismo faz parte de uma série de eventos a cargo da Câmara Municipal de Campos dos Goytacazes, com o objetivo de fomentar novos caminhos para o desenvolvimento econômico e social.
 

Polícia Federal faz operação contra desvios da Lei Rouanet

Segundo investigações, grupo criminoso atuou por 20 anos no Minc.
Estão sendo cumpridos 51 mandados, sendo 14 de prisão temporária.

A Polícia Federal faz na manhã desta terça-feira (28) em São Paulo, Brasília e Rio de Janeiro, a Operação Boca Livre para apurar desvios de recursos federais em projetos culturais com benefícios de isenção fiscal previstos na Lei Rouanet.

Segundo as investigações, um grupo criminoso atuou por quase 20 anos no Ministério da Cultura e conseguiu aprovação de R$ 170 milhões em projetos.

O desvio ocorria por meio de diversas fraudes, como superfaturamento, apresentação de notas fiscais relativas a serviços/produtos fictícios, projetos duplicados e contrapartidas ilícitas realizadas às incentivadoras.

A Polícia Federal concluiu que diversos projetos de teatro itinerante voltados para crianças e adolescentes carentes deixaram de ser executados, assim como livros deixaram de ser doados a escolas e bibliotecas públicas. Os suspeitos usaram o dinheiro público para fazer shows com artistas famosos em festas privadas para grande empresas, livros institucionais e até a festa de casamento de um dos investigados na Praia de Jurerê Internacional, em Florianópolis, Santa Catarina.

124 policiais federais cumprem 51 mandados, dentre os quais 14 de prisão temporária e 37 mandados de busca e apreensão, em sete cidades no estado de São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília.  O inquérito policial foi instaurado em 2014, após a PF receber documentação da Controladoria Geral da União de desvio de recursos relacionados a projetos aprovados com o benefício fiscal.

A Justiça Federal inabilitou algumas pessoas jurídicas para impedí-las de apresentar projetos culturais no MinC e na Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo. Também foi realizado o bloqueio de contas bancárias e o sequestro de bens como imóveis e veículos de luxo.

Entre os alvos da operação, estão o Ministério da Cultura,o escritório Demarest Advogados, a empresas Scania, Roldão, Intermédica Notre Dame, Laboratório Cristalia, KPMG, Lojas 100, Nycomed Produtos Farmacêuticos e Cecil.

Os presos devem responder pelos crimes de organização criminosa, peculato, estelionato contra União, crime contra a ordem tributária e falsidade ideológica, cujas penas chegam a doze anos de prisão.

A Lei Rouanet foi criada em 1991, durante o governo Fernando Collor (PTC/AL). A legislação permite a captação de recursos para projetos culturais por meio de incentivos fiscais para as empresas e pessoas físicas. A Lei Rouanet permite, por exemplo, que uma empresa privada direcione parte do dinheiro que iria recolher gastar com impostos para financiar propostas aprovadas pelo Ministério da Cultura para receber recursos.

Laboratório

Segundo a PF, a Operação Boca Livre foi a primeira a utilizar o Laboratório de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro de São Paulo, que cruza milhares de dados e informações.

O laboratório será utilizado também na análise do material apreendido pela Polícia Federal.

http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2016/06/policia-federal-faz-operacao-contra-desvios-da-lei-rouanet.html

2016/06/27

Delegados da Polícia Civil fazem paralisação nesta segunda-feira

Paralisação de oito horas protesta contra falta de pagamento integral e pede melhores condições de trabalho

Rio - Delegados da Polícia Civil do Rio de Janeiro fazem esta segunda-feira uma paralisação de oito horas para protestar pelo pagamento integral de salários e por melhores condições de trabalho.
 
Segundo o Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado do Rio de Janeiro (Sindelpol), a manifestação deve se estender até as 16h.
 
Além do atraso e não pagamento integral dos salários, de acordo com o Sindelpol, as condições de trabalho desses profissionais são precárias. Os servidores estão distribuindo cartas à população para explicar a paralisação.

No documento, os delegados dizem que falta água, papel, impressora e faxina nas delegacias e no Instituto Médico-Legal (IML). A carta informa ainda que os sistemas de inteligência e bancos de dados estão com funcionamento ameaçado.

Mais em:
http://odia.ig.com.br/rio-de-janeiro/2016-06-27/delegados-da-policia-civil-fazem-paralisacao-nesta-segunda-feira.html

2016/06/23

SESI Campos dos Goytacazes


Agentes apreendem computador na sede do PT em SP, diz Polícia Federal

Também foram apreendidos documentos e material de arquivo.
Paulo Bernardo, ex-ministro do Planejamento, foi preso em Brasília.

Agentes da Polícia Federal (PF) apreenderam computador, documentos e material de arquivo na manhã desta quinta-feira (23) na sede do Diretório Nacional do PT, no Centro de São Paulo, na Operação Custo Brasil, desdobramento da 18ª fase da Operação Lava Jato.
Um perito da área de informática participou da busca e apreensão na sede do partido e apreendeu um HD, segundo a Polícia Federal.

Aproximadamente dez agentes do Grupo de Pronta Intervenção (GPI) fizeram a segurança na incursão à sede do PT. Eles usam roupas camufladas porque são considerados policiais de elite da Polícia Federal.

O G1 apurou que o presidente do PT, Rui Falcão, estava em Brasília durante a operação e deve vir a São Paulo ainda nesta manhã em viagem já programada anteriormente. O partido ainda não informou como vai se posicionar sobre a operação.

A operação cumpre 65 mandados judiciais em São Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul, Pernambuco e Distrito Federal. Do total de mandados nesta quinta, 11 são de prisão preventiva, 40 de busca e apreensão e 14  de condução coercitiva, quando a pessoa é levada a prestar depoimento.

A PF informou que o objetivo da operação é apurar o pagamento de propina referente a contratos de prestação de serviços de informática no valor de R$ 100 milhões, entre os anos de 2010 e 2015, a pessoas ligadas a funcionários e agentes públicos ligados ao Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG).

Os crimes investigados na operação são de tráfico de influência, corrupção ativa, corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa, com penas de 2 a 12 anos de prisão.

Na ação, o ex-ministro do Planejamento do governo Lula e das Comunicações no primeiro gestão Dilma, Paulo Bernardo, foi preso em Brasília. Ele é marido da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR). Carlos Gabas, ex-ministro da Previdência do governo Dilma, também foi alvo. Ele foi levado em condução coercitiva, que é quando a pessoa é obrigado a prestar depoimento na delegacia.

Outro mandado de condução coercitiva foi para o jornalista Leonardo Attuch, que administra o blog 'Brasil 247'. Ele já havia aparecido nas investigação da Lava Jato como suspeito de ter recebido dinheiro por serviços não executados.

Veja abaixo a relação de mandados expedidos para o estado de São Paulo:

Capital
11 de busca e apreensão
4 de condução coercitiva
2 de prisão preventiva

Poá
1 de busca e apreensão

São Bernardo
3 de busca e apreensão

Cotia
1 de busca e apreensão
1 de condução coercitiva

Campinas
1 de condução coercitiva

O setor de comunicação da PF em São Paulo não informou os nomes das pessoas que deverão ser detidas por conta dos mandados de prisão preventiva expedidos. Segundo o órgão, os presos e materiais apreendidos seguirão para a sede da Polícia Federal, na Lapa, na Zona Oeste da capital paulista.

Ao todo, 16 equipes da PF realizam ações em cumprimento aos mandados expedidos pela Justiça Federal.

Recife
 No Recife, pelo menos duas pessoas foram presas. Até a última atualização desta reportagem, a PF não havia informado quem eram os presos na cidade. Também há três mandados de busca e apreensão na capital pernambucana.

Curitiba
Um dos mandados de busca foi cumprido na casa de Bernardo e Gleisi, no bairro Água Verde, em Curitiba.
A defesa de Paulo Bernardo disse que desconhece as razões da prisão, e que estranha, porque o ex-ministro sempre se colocou à disposição das autoridades.

PF
 A PF informou que há indícios de que o MPOG direcionou a contratação de uma empresa de prestação de serviços de tecnologia e informática para a gestão do crédito consignado na folha de pagamento de funcionários públicos federais com bancos privados, interessados na concessão de crédito consignado, de acordo com as investigações.

"Segundo apurou-se, 70% dos valores recebidos por essa empresa eram repassados a pessoas ligadas a funcionários públicos ou agentes públicos com influência no MPOG por meio de outros contratos - fictícios ou simulados", diz a PF.

Outros mandados
A PF cumpriu ainda dois mandados em Porto Alegre, um de busca e apreensão e outro de prisão, e também dois mandados de busca e apreensão em Londrina (PR). Até a última atualização desta reportagem, não havia informações sobre quem eram os alvos desses mandados.

Histórico
Paulo Bernardo e Gleisi haviam sido indiciados pela PF em março por suspeitas de que dinheiro desviado da Petrobras abasteceu em 2010 a campanha ao Senado da parlamentar.
A PF afirma ter indícios suficientes contra o ex-ministro e a senadora. As conclusões da Polícia Federal foram anexadas ao inquérito 3979, que tramita no Supremo Tribunal Federal , na Operação Lava Jato.

Um dos delatores da Lava Jato, o doleiro Alberto Youssef, afirmou em sua delação premiada ter recebido determinação do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa para entregar R$ 1 milhão para a campanha de Gleisi Hoffman do Paraná.

Isso teria sido feito em um shopping de Curitiba. A quantia teria sido entregue pessoalmente por Yousseff a um homem. Youssef afirmou que Gleisi sabia de todo o esquema. E que  Paulo Bernardo pediu um "auxílio" na campanha da mulher.

Depoimentos
Em depoimentos à Polícia Federal em abril do ano passado, a senadora Gleisi Hoffmann e o marido dela e ex-ministro Paulo Bernardo negaram irregularidades na arrecadação para a campanha da petista ao Senado em 2010.

Gleisi e Bernardo negaram, ainda, solicitações de doações ao doleiro Alberto Youssef. À PF, Paulo Bernardo disse que não fez qualquer pedido de "auxílio" a Costa para a campanha de Gleisi.
Questionado sobre as anotações "PB" e "1,0", encontradas na agenda de Paulo Roberto Costa apreendida pela Polícia Federal, o ex-ministro disse não ter conhecimento das anotações.

Em depoimento à Justiça, Costa afirmou que as anotações diziam respeito ao valor de R$ 1 milhão repassados a Paulo Bernardo para a campanha da petista ao Senado.

Em seu depoimento, Gleisi Hoffmann também disse desconhecer as anotações na agenda de Costa. Ela afirmou ainda que o empresário Ernesto Kugler participou de alguns eventos da campanha de 2010, mas que năo atuou na captação de recursos.

Kleber Tomaz
Do G1 São Paulo, com informações do G1 PR e da TV Globo em Brasília

http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2016/06/agentes-apreendem-computador-na-sede-do-pt-em-sp-diz-policia-federal.html

2016/06/22

Americano, que tem como um dos patrocinadores o Sicoob Cred Rio Norte, está na final da Taça Corcovado

Em Cardoso Moreira, o Americano venceu esta tarde o Olaria por 3 x 1, pela série B do Campeonato Estadual de Futebol.

Depois de sair derrotado no primeiro tempo por 1 x 0, o alvinegro melhorou na etapa final, virando a partida, com Emerson marcando para empatar e mais dois gols de Pimenta.

Com a vitória o Americano, que já está classificado para o triangular final,  vai disputar a final da Taça Corcovado, segundo turno do campeonato, com o Campos Atlético Associação.

Três times vão disputar o triangular final do campeonato: o Nova Iguaçu, que venceu o primeiro turno – a Taça Santos Dumont; o ganhador do segundo turno, que será conhecido no confronto entre o Campos Atlético e o Americano; e o time que somar mais pontos nos dois turnos. Este time é o Americano.