2014/08/21

Tom Zé no SESI Campos


2014/08/19

Candidatos ao governo do Rio participam de debate na TV Bandeirantes nesta terça-feira

Encontro reunirá Garotinho, Crivella, Pezão, Lindbergh e Tarcísio Motta; O GLOBO acompanha em tempo real no site e no Twitter

RIO - A TV Bandeirantes promove nesta terça-feira, a partir das 22h, o primeiro debate com candidatos ao governo do Rio nesta eleição. Participarão do encontro o deputado federal Anthony Garotinho (PR); os senadores Marcelo Crivella (PRB) e Lindbergh Farias (PT); o governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) e Tarcísio Motta (PSOL). Além dos blocos com perguntas de jornalistas e entre candidatos, os participantes ainda responderão a questões enviadas por meio de Twitter e WhatsApp. O GLOBO acompanha o debate em tempo real no site e pelo Twitter (@oglobopolitica).

O debate será no Teatro Oi Casa Grande, no Leblon, e mediado pelo jornalista Sérgio Costa. Os organizadores destacam como novidade uma tecnologia já testada nos Estados Unidos, mas inédita em debates políticos no Brasil: uma espécie de termômetro na tela, chamado de "twittômetro", que ao longo do programa, medirá em tempo real os temas que estiverem gerando o maior número de tweets.

- Hoje a chamada segunda tela é uma realidade da TV. As pessoas assistem à televisão conectadas ao celular, comentando e trocando impressões em tempo real. A gente acredita que essa iniciativa vai ajudar também a aproximar um público mais jovem do debate político - explica o jornalista Xico Vargas, diretor do debate e colunista da TV Bandeirantes.

De acordo com os organizadores, o programa terá duas horas de duração e será dividido em cinco blocos. No primeiro, depois da abertura e da apresentação das regras, cada candidato escolherá um adversário para responder a uma pergunta. O tema será livre. O candidato que responder não poderá ser escolhido novamente. Um sorteio definirá quem escolherá primeiro. Já no segundo bloco, os cinco participantes responderão a perguntas de telespectadores enviadas pelo WhatsApp para a redação da Band Rio. As perguntas são previamente selecionadas pela emissora, não sendo enviadas na hora do debate.

No terceiro bloco, os candidatos responderão a perguntas feitas por jornalistas de veículos que integram o Grupo Bandeirantes de Comunicação e, no quarto bloco, a cinco perguntas gravadas, formuladas por personalidades escolhidas pela emissora. O quinto e último bloco começa com uma pergunta do Twitter.

Depois, cada candidato terá dois minutos para considerações finais.

Questões enviadas por Twitter serão selecionadas e apresentadas ao fim de cada bloco para os candidatos, com ordem de respostas definida por sorteio. Para o coordenador de Notícias e Política do Twitter Brasil, Leonardo Stamillo, a parceria da Bandeirantes com o microblog vai colocar o telespectador dentro do debate em tempo real:

- Vai ser possível pedir para os candidatos explicarem melhor uma proposta ou apresentar mais informações sobre uma situação que acabou de ser discutida. E a discussão que vai estar acontecendo no Twitter também vai se refletir no debate da TV com o termômetro de mensagens que estará na tela.


2014/08/18

Ação do MPF contra a transposição do 'Paraíba' é declinada para o STF

Justiça Federal em Campos entendeu que há um conflito federativo.
Ministério Público Federal não irá recorrer da decisão.


O Supremo Tribunal Federal (STF) vai julgar  a ação do Ministério Público Federal (MPF) contra a transposição do rio Paraíba do Sul. A Justiça Federal em Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense, declinou a competência do caso ao Supremo.
De acordo com a decisão, há um conflito federativo, uma vez que o projeto de transposição do rio pelo Estado de São Paulo pode prejudicar diretamente o abastecimento de água das populações dos Estados do Rio de Janeiro e de Minas Gerais e a produção de energia elétrica na região metropolitana do Rio.
Assim, a 2ª Vara Federal de Campos entendeu que compete ao STF julgar o processo, uma vez que a Constituição Federal estabelece a competência para julgar as causas e conflitos entre os Estados ao Supremo.
O autor da ação, o procurador da República Eduardo Santos de Oliveira, disse que não irá recorrer da decisão. “Do dia em que propusemos a ação civil pública até hoje, a situação se alterou e se agravou. As ações recentes do Governo de São Paulo, por não considerarem o problema como um todo, podem ter consequências sérias tanto no abastecimento quanto na produção de energia elétrica, principalmente, para o Rio de Janeiro”, disse.

Leia mais em:
http://g1.globo.com/rj/norte-fluminense/noticia/2014/08/acao-do-mpf-contra-transposicao-do-paraiba-e-declinada-para-o-stf.html

2014/08/13

PF abre inquérito para apurar causas do acidente com Campos

A Polícia Federal (PF) anunciou, no início da noite desta quarta-feira, a abertura de inquérito criminal para apurar as circunstâncias do acidente com o avião em que viajava o ex-governador de Pernambuco e candidato à Presidência da república, Eduardo Campos (PSB). Além do político, outras seis pessoas morreram na queda, entre eles assessores, fotógrafo e pilotos.
 
No início desta tarde, onze peritos da Polícia Federal foram encaminhados até a cidade de Santos, no litoral paulista, para começar o processo de investigação. Eles irão analisar se houve algum ato de imperícia, imprudência ou falha técnica na aeronave que tenha provocado o incidente. Os peritos também ajudarão no trabalho de identificação dos corpos.

O âmbito de investigação da PF, nesse caso, é criminal. Ou seja, o órgão tem a competência para apontar possíveis responsáveis pelo acidente e pedir a abertura de ação penal no caso. Também foi instituída uma investigação pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), órgão da Forca Aérea Brasileira (FAB). Mas a investigação do Cenipa tem um caráter mais técnico e se atém à apenas questões relacionadas ao funcionamento da aeronave.

Marcos Bezerra/Futura Press
Movimentação de bombeiros na região onde caiu a aeronave de Eduardo Campos (13/08)

Por Wilson Lima - iG Brasília |



social
fechar ×

ver mais antigos
comentários
fechar ×
http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2014-08-13/pf-abre-inquerito-para-apurar-causas-do-acidente-com-campos.html

Moradores relatam que avião de Campos parecia uma ‘bola de fogo’, antes de cair

SANTOS (SP). Moradores do bairro Boqueirão, em Santos, onde caiu o avião em que estava o candidato à Presidência da República Eduardo Campos (PSB), relatam que a aeronave pegava fogo poucos instantes antes da queda e tentou desviar de prédios.

- Parecia uma bola de fogo caindo do céu. Na hora, nem pensei que fosse um avião, achei até que fosse um meteorito. Foi um barulho muito forte e um clarão tão grande que não se conseguia ver mais nada. Quando percebi, o quintal já estava pegando fogo - disse a aposentada Miriam Rodrigues Martinez, de 61 anos, que teve a casa interditada pela Defesa Civil em Santos.

Morador da rua Vahia de Abreu, o aposentado Marcos Ferreira, de 62 anos, disse ter tido a impressão de que o fogo saía de uma das turbinas.

- O avião passou no meio de dois prédios já caindo e pegando fogo. Na minha casa, que é do outro lado da rua, o impacto fez quebrar as janelas - afirmou.

A aeronave onde estava Campos e assessores desviou de um prédio de oito andares antes de cair em um terreno vazio, atrás de uma academia. O avião já havia passado em uma altura baixa pelo Centro e estava seguindo em direção à praia, segundo relatos.

- Um amigo que trabalha no centro viu esse avião andando baixinho. Quando chegou aqui, ele chegou a desviar de um prédio. Acho que o piloto viu que tinha um clarão aqui perto e por isso caiu aqui - disse o jornaleiro Fernando Estriga, de 53 anos.

A queda do avião provocou tumulto e correria no bairro. Desesperados, vizinhos do local do acidente desmaiaram e saíram correndo de suas casas, temendo que houvesse uma explosão.
O estivador Donizete Maguila Junior, de 37 anos, ouviu o barulho e foi ao terreno ver o que tinha acontecido:

- A queda deslocou tanto ar que quebrou os vidros do meu apartamento. Desci para ver o que era e vi uma tragédia. Havia corpos dilacerados e em chamas. Muita gente tinha desmaiado. Fui socorrendo e colocando em carros pra levar para o hospital.

Maguila disse ter visto quatro corpos em meio aos escombros:

- Não acredito que era o Eduardo. Quando vi os olhos dele, fiquei na dúvida e pensei: "Não pode ser".

Na vizinhança, há três escola infantis, escritórios comerciais e casas. Duas casas e uma academia foram atingidas diretamente pelo avião. O abastecimento de energia elétrica e de gás no bairro foi cortado.

O secretário de Segurança Pública, Fernando Grella Vieira, foi a primeira autoridade a visitar o local do acidente. Após se reunir com os bombeiros e visitar os escombros, ele deixou o bairro sem falar com a imprensa.

por


Imprensa internacional repercute morte de Eduardo Campos

 Veículos internacionais de imprensa repercutem nesta quarta-feira (13) a morte do ex-governador de Pernambuco e candidato à Presidência da República pelo PSB, Eduardo Campos, após o jato em que estava cair em cima de uma casa em Santos, no litoral de São Paulo.

Confira em:   http://g1.globo.com/politica/eleicoes/2014/noticia/2014/08/imprensa-internacional-repercute-morte-de-eduardo-campos.html

Urgente: morre Eduardo Campos, candidato à Presidência pelo PSB

Eduardo Campos morre em acidente aéreo em Santos

Jato que estava o presidenciável caiu em aérea residencial no litoral paulista

por

RIO - O presidenciável Eduardo Campos (PSB-PE ) morreu na manhã desta quarta-feira após sofrer um acidente aéreo em Santos. A campanha do candidato ficou apreensiva com a perda de contato com o jato em que estava o político, que iria para um compromisso em evento na cidade de Santos chamado SantosExport. A aeronave em que viajava do Rio para Guarujá perdeu contato com controle aéreo.
O avião do candidato não chegou ao destino. Governo de Pernambuco também não tem contato com candidato. O avião, um Cessna 560 XL, prefixo PR-AFA, deixou o aeroporto do Santos Dumont às 9h20m com destino a Santos. Carlos Siqueira, primeiro secretário do PSB, disse que Campos estava a bordo do avião que caiu.

O ex-deputado Walter Feldman, que está ao lado de Marina Silva em São Paulo, disse logo depois do acidente ter conversado com o deputado Márcio França, que recepcionaria Campos em Santos. França confirmou para o aliado que a aeronave que caiu tinha o prefixo da alugada pela campanha de Campos:
- Márcio França ligou e disse ter confirmado que o prefixo do avião é o mesmo de Campos. Mas temos que aguardar _ explicou o ex-deputado.

Aliados de Marina Silva estão apreensivos porque a companhia aérea que fretou o avião não consegue contato com o piloto.

Em seu gabinete no Tribunal de Contas da União, a ministra Ana Arraes, mãe de Eduardo Campos, ao ser informada dos rumores sobre a queda do avião em Santos, caiu no choro. Mas assessores informam que não há informação que confirmem que o candidato do PSB estava na aeronave.

O Corpo de Bombeiros confirmou a queda, que ocorreu na altura do número 136 Rua Alexandre Herculano, esquina com Rua Vahia de Abreu, nas imediações do Canal 3, a cerca de sete quadras da praia. Logo após a queda, a primeira informação era a de que se tratava de um helicóptero. Sete pessoas ficaram feridas e pelo menos três imóveis foram atingidos.

A sala de imprensa do Corpo de Bombeiros informou que sete vítimas foram socorridas em hospitais da região, mas ainda não há informações se elas eram ocupantes da aeronave ou moradores dos imóveis atingidos. O Pronto-Socorro Municipal de Santos confirmou que há quatro feridos internados na unidade.
A queda ocorreu pouco depois das 10h. A poucos metros do local do acidente funcionam uma escola infantil e uma academia de ginástica. A região tem casas e comércios.

O Comando da Aeronáutica informou, por nota, que o avião, modelo Cessna 560XL, prefixo PR-AFA, caiu às 10h.

“A aeronave decolou do Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, com destino ao aeroporto de Guarujá (SP). Quando se preparava para pouso, o avião arremeteu devido ao mau tempo. Em seguida, o controle de tráfego aéreo perdeu contato com a aeronave”, diz nota da Aeronáutica.

A Aeronáutica investiga as causas do acidente.

O local onde ocorreu a queda é bastante movimentado. Testemunhas relatam que ouviram barulho de uma explosão. O quarteirão foi isolado pela Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e equipes de resgate. Com o estrondo na hora da queda, vidraças de lojas quebraram-se.

Read more: http://oglobo.globo.com/brasil/eduardo-campos-morre-em-acidente-aereo-em-santos-13586260#ixzz3AHvpO7P7

c/ed.

2014/08/12

ONS: decisão da Cesp causará colapso no abastecimento de água no Estado do Rio

Órgão alerta que caberá à Aneel e à ANA decidir sobre que medidas serão adotadas

RIO — O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) informou nesta terça-feira que a decisão da Companhia Energética de São Paulo (Cesp) de descumprir a orientação para elevar a vazão de água na usina do Jaguari vai provocar colapso no abastecimento de água de todas as cidades atendidas pela Bacia do Paraíba do Sul nos estados do Rio de Janeiro e São Paulo, caso a atual situação de seca persista.

Outra grave consequência da decisão da Cesp, segundo avaliação feita pelo ONS, é o esvaziamento dos reservatórios das usinas de Paraibuna, Santa Branca e Funil "antes do final da estação seca, caso não ocorram chuvas significativas na bacia nesse período." Um terceiro efeito será redução de cerca de 130 megawatts médios (MW) de geração de energia e 150 MW de potência na geraçãodessas usinas, que tem que reduzir a geração com a menor vazão da água.

Na nota o ONS esclarece que no dia 4 de agosto tinha informado à Agência Nacional de Águas (ANA) e à Cesp que não seria viável atender o pleito da companhia de reduzir a vazão de 40 metros cúbicos por segundo para 10 metros cúbicos por segundo. O ONS explicou que reduziu temporariamente a vazão para 30 metros cúbicos por segundo, enquanto analisava as consequências da medida no sistema. Mas, ao constatar os impactos negativos nos reservatórios e a ameaça ao suprimento de água em várias cidades, o ONS informou que não seria viável fazer tal reduzção solicitada pela Cesp. Ainda assim, no dia seguinte, a companhia paulista comunicou sua decisão unilateral de reduzir a vazão para 10 metros cúbicos por segundo de água, com a geração de 3 megawatts. O ONS elaborou, então, um Relatório de Não conformidade encaminhado que foi encaminhado à Cesp e à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Em nota técnica divulgada nesta terça-feira, a Aneel afirmou que está está apurando os fatos relacionados ao não cumprimento das determinações do ONS pela Cesp, mas destacou que cabe à ANA definir e fiscalizar as condições de operação dos reservatórios pelos agentes públicos e privados. "Como o presente caso envolve diferentes usuários de recursos hídricos, compete à ANA definir as condições de operação dos servatórios em questão", diz o texto da agência.

por